Bombeiro responderá por 4 crimes; SSP não vê indício de terrorismo

O bombeiro que furtou uma viatura com objetivo de chegar ao Congresso Nacional responderá por furto qualificado, desobediência, danos ao material da administração militar e tentativa de dano

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/12/2017 16:25 / atualizado em 03/12/2017 17:58

PMDF/Divulgação

 
O bombeiro perseguido e interceptado na Esplanada dos Ministérios, após retirar uma viatura sem autorização e guiá-la em direção ao Congresso Nacional, na madrugada deste domingo (3/12), foi enquadrado nos crimes de furto qualificado, desobediência, danos ao material da administração militar e tentativa de dano, conforme previsto no Código Penal Militar. As informações estão em uma nota divulgada pela Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social.

O texto, assinado também pelo Corpo de Bombeiros Militar e pelas polícias Militar e Civil do DF, afirma ainda que, a princípio, não foi encontrado nenhum elemento que permita caracterizar a atitude do 2º sargento Fabrício Marcos de Araújo como um ato terrorista. 
 
Logo após o ocorrido, a possibilidade de enquadrar o acusado na Lei 13.260/16, que trata dos crimes de terrorismo, chegou a ser divulgada por integrantes de forças de segurança e divulgadas por meio de aplicativos de mensagens. A nota conjunta, porém, não confirma essa interpretação. "Na apuração preliminar do Corpo de Bombeiros, a princípio, não foram encontrados elementos que apontam para a caracterização de atentado terrorista, em conformidade com a Lei 13.260/16, que trata dos crimes de terrorismo", afirma um trecho.

O texto termina informando que o caso continua em apuração e que os serviços de saúde do Corpo de Bombeiros foram acionados para acompanhar o caso. Após ser preso, o 2º sargento foi levado para o Núcleo de Custódia do CBMDF. Uma audiência de custódio foi iniciada na tarde deste domingo para decidir se o acusado continuará detido enquanto os fatos dão apurados.


Leia a íntegra do comunicado


"A Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social informa que por volta de 1h30 da madrugada deste domingo (3) uma viatura do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF) foi retirada do Quartel, sem autorização, por um Bombeiro Militar. A Polícia Militar foi acionada via Copom (190), tendo contato visual com o veículo na via Estrutural sentido Plano Piloto. Várias ordens de parada foram dadas ao condutor, mas sem sucesso.

Durante todo o percurso viaturas da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros acompanhavam o veículo e balizavam o trânsito no sentido de evitar acidentes. Por volta de 1h50, o veículo foi interceptado na via S1, na altura do Ministério do Planejamento, momento em que viaturas do PATAMO e da ROTAM efetuaram disparos contra os pneus do veículo. O local foi preservado pela Polícia Militar e a perícia da Polícia Civil foi acionada.

O condutor foi imediatamente retirado e conduzido ao Quartel do Corpo de Bombeiros, onde foi preso em flagrante delito, enquadrado nos crimes de furto qualificado, desobediência, danos ao material da administração militar e tentativa de dano, conforme previsto no Código Penal Militar.

Na apuração preliminar do Corpo de Bombeiros, a princípio, não foram encontrados elementos que apontam para a caracterização de atentado terrorista, em conformidade com a Lei 13.260/16, que trata dos crimes de terrorismo.

Por fim, o Corpo de Bombeiros informou que as circunstâncias que envolveram a ocorrência estão em apuração, sendo acionada também a Diretoria de Saúde e o Centro de Assistência da corporação para acompanhar o caso e que foram adotadas todas as medidas necessárias para elucidação dos fatos. O Militar em questão encontra-se detido no Núcleo de Custódia do CBMDF e será submetido à audiência de custódia.

-Secretária da Segurança Pública e da Paz Social
-Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal
-Polícia Militar do Distrito Federal
-Polícia Civil do Distrito Federal"

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.