Jornal Correio Braziliense

Ápice da superlua ocorre às 23h50 deste domingo, pelo horário de Brasília

Brasilienses usam redes sociais para postar imagens da superlua no céu do Distrito Federal

Correio Braziliense
- Foto: Arquivo pessoal
 
Apesar da chuva e do tempo nublado que predominaram neste fim de semana, alguns moradores do Distrito Federal se animaram, neste domingo (3/12), para apreciar a única superlua do ano. Desde o início da noite, os brasilienses usaram as redes sociais para divulgar fotos do satélite natural da Terra, que, no céu de Brasília, apareceu brilhante entre nuvens.
 
Leia as últimas notícias de Ciência e Saúde 


 
Mas o que é, afinal, a superlua? Bom, primeiro é preciso saber que a distância entre a Lua e a Terra é variável. Nessa oscilação, o ponto de maior proximidade se chama perigeu, e o de maior distância, apogeu. Quando o perigeu é menor que 357,9 mil quilômetros, diz-se que há uma superlua, e o satélite se mostra um pouco maior e mais brilhante que o habitual. 

Desta vez, o momento de maior proximidade se dará às 23h50 do domingo, pelo horário de Brasília. No entanto, de acordo com o presidente do Clube de Astronomia de Brasília, Augusto Ornellas, a diferença de tamanho ao longo da noite, para quem não tem equipamentos especiais de observação, é imperceptível. "A diferença de uma superlua para uma lua cheia normal já é muito pequena", esclarece. 

"Se você apontar a mão para o céu à noite, notará que a lua aparenta ter o tamanho aproximado de metade de sua unha. Durante a superlua, você tem um décimo a mais de lua", prossegue Ornellas. Segundo o estudioso, a superlua costuma fazer mais diferença para moradores de cidades litorâneas porque pode tornar as marés um pouco mais altas.