Publicidade

Estado de Minas

Viaduto entre Epig e Parque da Cidade deve ficar pronto no fim do ano

A empreitada faz parte do Corredor Oeste, projeto viário que permitiria a ligação do BRT desde Ceilândia e Taguatinga ao Plano Piloto


postado em 16/01/2018 06:00 / atualizado em 15/01/2018 22:17


Dos R$ 289,2 milhões liberados pelo Ministério das Cidades para o Distrito Federal, na semana passada, R$ 13,8 milhões são destinados à construção de um viaduto entre a Estrada Parque Indústria Gráfica (Epig) e o Parque da Cidade. A obra deve ser entregue até o fim deste ano.

Leia as últimas notícias do Distrito Federal


A empreitada faz parte do Corredor Oeste, projeto viário que permitiria a ligação do BRT desde Ceilândia e Taguatinga ao Plano Piloto, fazendo o uso da faixa exclusiva da EPTG. O ponto onde vai ser erguido o viaduto é um dos com maiore fluxo e tempo de espera. Por lá passam quase 3 mil veículos diariamente, apenas das 6h às 10h. Além de permitir a circulação direta de veículos entre o Parque da Cidade e o Sudoeste e desafogar o trânsito na EPIG, as intervenções vão incluir pistas restritas aos ônibus articulados.

 

As paradas de ônibus serão remanejadas de modo a garantir a melhor circulação de pessoas. Serão construídas passagens para pedestres e ciclistas. O projeto também prevê a retirada de semáforos que interferem no fluxo de veículos. “A implantação desse viaduto faz parte de uma série de projetos de mobilidade urbana. Por ali se garantirá a fluidez do trânsito. Os pedestres serão atendidos com a garantia do BRT e passagens adequadas”, explicou Edson José Vieira, coordenador de projetos da Secretaria de Infraestrutura.

Longa espera

A reclamação de quem sai do Parque da Cidade na altura do Sudoeste é justamente a demora do semáforo. A servidora pública Nádia Mohamad, 40 anos, passa pelo local diariamente. “Meu filho estuda em uma escola do Sudoeste. Normalmente, fico uns 10 minutos esperando para ir do Parque até o outro lado”, conta. Morador de Vicente Pires, Lucas Pires também costuma passar pelo local de carro. “É um trecho sempre demorado. Pela manhã, é pior ainda”, ressalta.

Lucas Pires:
Lucas Pires: "É um trecho sempre demorado. Pela manhã, é pior ainda" (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade