Publicidade

Estado de Minas

Caesb suspende racionamento programado para domingo no Guará I e II

Decisão foi tomada porque um corte inesperado afetou cerca de 100 mil pessoas neste sábado


postado em 20/01/2018 18:47 / atualizado em 20/01/2018 19:24

(foto: Pedro Ladeira/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Pedro Ladeira/Esp. CB/D.A Press)
 
 
A Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) decidiu suspender o racionamento previsto para este domingo no Guará I e II por causa do corte não programado que afetou a região neste sábado (20/1). Segundo a assessoria da empresa, cerca de 100 mil pessoas ficaram sem abastecimento porque a troca de uma peça, que deveria durar poucas horas, acabou levando o dia todo para ocorrer.

A população da cidade foi pega de surpresa com o corte. Uma das preocupações dos moradores era mesmo se teriam de passar todo o fim de semana com as torneiras secas. A assessoria da Caesb, porém, disse ao Correio que isso não vai acontecer e que o abastecimento já está sendo normalizado. 
 
O educador e realizador audiovisual Diego Mendonça (36), morador da QI 4, relatou que toda a rua onde mora foi surpreendida. “Ficamos sem água o dia todo e isso castiga muito a gente, principalmente as famílias com crianças. Nós temos um bebê de 8 meses em casa e hoje esse corte sem aviso, em um dia de muito calor, nos prejudicou bastante”, queixou-se.

Para Diego, o racionamento, por mais desgastante que seja, possibilita que cada morador programe seu abastecimento interno em dias programados, o que não aconteceu neste sábado. “A água só deve voltar na segunda-feira de tarde e, quando volta, a qualidade é sempre muito ruim. Temos feito a limpeza dos filtros semanalmente em casa e, ainda assim, precisamos trocar mais vezes. Ficamos com medo até de passar mal tomando a água com essa qualidade”, afirmou.

 
"Acabou por volta das 11h" 

 
Já o bancário aposentado Raimundo Nonato, 65 anos, morador da QE 17, contou que essa é a primeira vez que a falta de água acontece sem comunicação em época de racionamento. “Acompanhamos o cronograma previamente estabelecido pela Caesb. Por ele, somente amanhã faltaria água. Mas hoje a água acabou por volta de 11h e não estávamos preparados com vasilhas extras. A caixa d'água atende apenas parte da casa”, disse.

Em média, a família de Raimundo coleta cerca de 200 litros a mais para suportar a ausência de água durante as habituais 32 horas de ausência (o dia do corte, mais cerca de oito horas de estabilização). 


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade