Publicidade

Estado de Minas

Moradores de prédio da 210 Norte comemoram volta da rotina

O fornecimento de água e esgoto foi restabelecido nos apartamentos quase uma semana após o desabamento de terra


postado em 09/02/2018 21:27 / atualizado em 09/02/2018 23:56

Operários trabalham na remoção de grama e terra da laje que desabou em prédio residencial da 210 Norte(foto: Augusto Fernandes/Esp. CB/D.A Press)
Operários trabalham na remoção de grama e terra da laje que desabou em prédio residencial da 210 Norte (foto: Augusto Fernandes/Esp. CB/D.A Press)

O barulho do trator removendo terra ainda incomoda, mas a rotina dos moradores do bloco C da 210 Norte, aos poucos, está se tranquilizando. Com o desabamento na laje sobre a garagem subterrânea do local, serviços como energia elétrica, água e esgoto foram danificados. Mas nesta sexta-feira (9/2), quase uma semana após o incidente, os condôminos têm motivos para comemorar.
 
“Terminamos de instalar um sistema provisório de abastecimento de água e esgoto. A energia já havia sido normalizada durante a semana. Está tudo funcionando perfeitamente”, conta Júnior Cipriano, responsável pela empresa que fez as obras de revitalização no prédio. A construtora deve terminar hoje a retirada da terra que está sobre a laje e agradece a compreensão dos moradores. 
 
“Estamos fazendo a limpeza da garagem e da parte exterior do prédio. Removemos boa parte da terra, o que diminui a pressão sobre o concreto e evita possíveis deslizamentos por causa da chuva. Os moradores cooperaram bastante. Eles entenderam que era necessário calma com essas obras”, explica Cipriano.
 
Para a aposentada Marli Pinheiro, 70 anos, o pior momento já passou. “As coisas mais imediatas já foram resolvidas, felizmente. Na quarta-feira, a água estava disponível para apenas alguns apartamentos, mas na quinta-feira, todos já tinham. A situação está bem melhor. As pessoas que haviam saído já estão retornando. Estamos entrando nos eixos. Já pude até lavar a minha roupa”, relata.
 
Com banheiro e cozinha funcionando novamente, o concurseiro Cláudio Viana, 43, se sente mais confortável. “Foi um alívio. Tive que ir para a casa de uma tia para poder tomar banho. Mas agora tudo está se normalizando. Já tenho acesso a água potável e não preciso mais recorrer a um amigo ou parente”, destaca.
 
Por sua vez, a aposentada Marilisa Beber, 55, reforça que a tragédia já ficou para trás. “Com o passar dos dias, a rotina vai voltar ao normal. Vamos seguir em frente. Os moradores estão mais tranquilos. Só falta ser resolvida a questão dos carros, mas ainda bem que todos tinham seguro. Alguns moradores, inclusive, já providenciaram veículos reservas às seguradoras”, comenta.

De acordo com a dentista Carine Castro, 42, o apoio entre os moradores, inclusive de vizinhos, foi bastante importante nos dias após o desabamento. “Felizmente, todos mostraram muita união. A solidariedade foi o mais marcante. Os demais síndicos também foram generosos. Todos ajudaram de alguma forma”, destaca.
 
Algumas das seguradoras abriram mão da perícia e já pediram aos donos dos veículos o envio de documentações para analisar a possibilidade de indenização. Contudo, não foi divulgado quando será feita a retirada da laje e dos carros danificados pelo desabamento. O servidor público Diogo Lima, 36, um dos moradores que teve o carro esmagado pela laje, aguarda uma definição. “Uma data para a remoção dos carros, contudo, ainda não foi estabelecida. Não sabemos quando isso vai acontecer. Isso me interessa muito”, frisa.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade