Publicidade

Estado de Minas

Metrô lota após término dos blocos e dificulta a volta para casa

Assessoria do Metrô informou que ato de vandalismo em dois trens causou o transtorno e a lotação nas estações Central e 102. Os foliões prejudicados tiveram que se organizar e arrumar outros meios para deixar a região central de Brasília


postado em 10/02/2018 23:20 / atualizado em 11/02/2018 13:32

As vendas dos bilhetes foram interrompidas devido à lotação do transporte. Outras falhas também marcaram a volta para casa dos foliões(foto: Deborah Fortuna/Esp CB/D.A. Press)
As vendas dos bilhetes foram interrompidas devido à lotação do transporte. Outras falhas também marcaram a volta para casa dos foliões (foto: Deborah Fortuna/Esp CB/D.A. Press)

Após o término dos blocos na região central de Brasília, hora de voltar para casa. O problema é que a estação de Metrô da Rodoviária não comportou o número de foliões que tentavam embarcar, obrigando muitos a deixarem a fila e procurar um outro meio para sair do local. Segundo passageiros que aguardavam para comprar a passagem, as vendas foram interrompidas por volta das 22h.

 

A  Companhia Metropolitana de Brasília  informou que o controle de fluxo é procedimento padrão em casos de superlotação. Por isso, houve uma interrupção na compra das passagens e na entrada aos trens por alguns minutos. Todos os usuários que solicitaram foram ressarcidos e a situação foi normalizada às 22h50. 

 

Minutos depois de vários usuários deixarem a fila, que atravessava todo o saguão antes das catracas, as vendas foram restabelecidas, mas devido ao grande número de pessoas, o sistema continuou apresentando problemas. A assessoria de imprensa da companhia informou que sete trens sofreram atos de vandalismo e dois tiveram que parar de circular após uma ação praticada por passageiros. Devido à situação - que obriga a parada de todo o sistema até a resolução do problema, sendo necessária para garantir a segurança dos passageiros - houve lotação nas estações Central e 102.

 

Na ocasião, o botão de emergência, que faz o trem parar, foi acionado por usuários e isso causou o transtorno. Enquanto centenas de pessoas aguardavam dentro do transporte, o trem ficou com as luzes apagadas e demorou a deixar a estação.

 

Segundo um segurança do local, que não quis se identificar, o caos foi agravado por um fator: "falta empregados e, por isso, fica uma baderna". Durante o fim da noite, o atendimento do Metrô ao usuário continuava instável, com demora no percurso e pequenos apagões, mas o sistema não chegou a ser interrompido antes do destino final.


Ainda segundo a assessoria do Metrô, não houve falta de funcionários nas estações durante o episódio e durante todo o período de carvaval há, inclusive, um reforço de profissionais.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade