Publicidade

Estado de Minas

Raparigueiros e Baratona reúnem 70 mil no Eixo Monumental

Como no ano passado, público dos dois blocos se mistura. PM reforça a segurança


postado em 11/02/2018 19:08 / atualizado em 11/02/2018 21:45

Concentração do Bloco Raparigueiros(foto: Luís Nova/Esp.CB/D.A Press)
Concentração do Bloco Raparigueiros (foto: Luís Nova/Esp.CB/D.A Press)

 
O segundo dia do carnaval de 2018 tem entre suas principais atrações em Brasília os blocos Raparigueiros e Baratona. Como de costume, os dois grupos desfilaram no mesmo espaço com diferentes trios elétricos. No ano passado, reuniram cerca de 170 mil pessoas no Eixão. Neste domingo (11/2), a festa foi transferida para o Eixo Monumental, por causa do desabamento do viaduto na Galeria dos Estados. Segundo estimativa da Polícia Militar, enquanto o Raparigueiros juntou 30 mil pessoas, a Baratona levou 40 mil às ruas.
 
O percurso leva os foliões por um desfile que sai da Torre de TV, passa em frente ao Palácio do Buriti, faz a curva no Memorial JK e volta pelo sentido contrário do Eixo. Os trios começaram a se mover por volta das 20h. Por volta das 21h15, era difícil diferenciar o que era cada bloco.

O Eixo Monumental começou a encher no começo da noite, com os foliões chegando em grupos formados, na maioria, por pessoas jvens. A estudante Letícia Ribeiro, 19 anos, reuniu os amigos em Luziânia e pegou o ônibus para pular o carnaval. "O ônibus estava cheio, mas valeu a pena. O bloco está muito animado e esse local aqui é mais seguro que o do ano passado", disse a jovem, que escolheu a fantasia de fada.

Ver galeria . 21 Fotos Luis Nova/CB/D.A Press
(foto: Luis Nova/CB/D.A Press )


A preocupação com a segurança não foi só de Letícia. A Polícia Militar do Distrito Federal montou um esquema de segurança reforçado. No ano passado, o bloco foi palco de muitos furtos e brigas que terminaram com pessoas esfaqueadas. Quando se aproximavam do local de saída do bloco, os foliões eram revistados. A reportagem do Correio viu que muitos tiraram até os sapatos durante as revistas. Há também grupos de policiais circulando em pela multidão.
 
Até às 21h, a equipe do Correio não havia presenciado nenhum ato de violência grave. Apenas, por volta das 20h, um princípio de confusão aconteceu, fazendo com que algumas pessoas corressem. Foi possível ver algumas pessoas tentando se agredir com garrafas. A PM fez uma intervenção usando gás de pimenta e logo a situação foi normalizada. 
 
A maioria dos foliões não foi fantasiada. Entre os homens, muitos sem camisa ou com roupas de marca, uniformes de futebol e basquete e camisetas com frases como "Eu nunca disse que prestava" e "Contatinhos aqui". As garotas vestem mais blusinhas, tops e camisetas. Os adereços mais encontrados são tiaras de diabinhos ou unicórnios, perucas coloridas e chapéus.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade