SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Berry "desconhecida" do Ceilão é mais barata que frutas vermelhas famosas

Pesquisa da Unicamp também detectou que o alimento evita o diabetes e a obesidade

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/10/2015 06:10

Roberta Machado

Josenilda Rodrigues/Divulgação


A aparência lembra uma jabuticaba, mas a casca tem textura aveludada como a de um pêssego. Essa é a groselha do Ceilão, um tipo raro de fruta cultivada no interior do Brasil, mas pouco conhecida por aqui. O nome lembra outra espécie tradicionalmente usada no país para a produção de um xarope artificial rico em açúcar. O sabor azedinho e o valor nutricional surpreendente desse alimento, porém, nada têm a ver com a bebida doce apreciada pelas crianças. O vermelho vivo natural da polpa suculenta indica a presença forte de compostos fenólicos, poderosos antioxidantes que retardam o envelhecimento e previnem o câncer. Com tamanho poder protetor, essa pequena desconhecida é comparável a queridinhas como o mirtilo e a cranberry, com a vantagem de ter um preço mais acessível.

O nome da fruta faz referência ao antigo território português no país que é hoje conhecido como Sri Lanka. A planta foi introduzida na Florida como uma espécie híbrida. Acabou sendo trazida ao Brasil e encontrando o clima ideal no interior da Região Sudeste. A produção local permite que seja vendida em mercados locais a um preço mais baixo do que as berries importadas e num estado in natura mais fresco, conservando, assim, as propriedades nutricionais. No entanto, a groselha do Ceilão continua desconhecida em grande parte do país e o seu potencial é praticamente inexplorado.

Vivian Caetano Bochi foi a primeira pesquisadora a investigar essa fruta exótica e descrever os seus nutrientes. A cientista de alimentos conta que se dedicou ao trabalho após a abordagem de uma produtora que mantém uma plantação em Pinhalzinho (SC) e estava interessada em saber mais sobre a planta e seus benefícios à saúde. O alimento foi tema da dissertação de doutorado de Bochi na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e publicado recentemente no Journal of Food Science.

As análises mostraram que a groselha do Ceilão é rica em nutrientes antioxidantes. “Esses fitoquímicos são compostos provenientes do metabolismo da planta. Entre os de relevância, estão os compostos fenólicos, que se dividem entre os pigmentos, as antocianinas, de coloração vermelha e roxa; e os incolores, que são os ácidos fenólicos e flavonoides, os compostos famosos em chás”, aponta Bochi. “Em comparação à cranberry, a groselha do Ceilão é muito mais saborosa e tem um teor de fitoquímicos praticamente igual”, compara a pesquisadora.

Os testes revelaram ainda que as antocianinas presentes na fruta também conhecida como ceylon gooseberry ou ketembilla têm propriedades anti-inflamatórias. Para atestar esse efeito, as pesquisadoras deram um extrato da fruta a camundongos durante cinco dias e, depois, mediram os efeitos no organismo dos roedores. Os bichos que consumiram a groselha sofreram um menor estímulo das células de defesa do corpo, indicando que os compostos reduziram processos inflamatórios. Embora esses sejam resultados preliminares e não possam ser traduzidos para humanos, o experimento sugere que a fruta possa ajudar a prevenir o processo inflamatório relacionado ao desenvolvimento do diabetes, da obesidade e do colesterol alto.

Dieta preventiva
Os resultados do estudo colocam a groselha do Ceilão entre a elite nutricional das frutas vermelhas, conhecidas pela ação antioxidante dos compostos fenólicos que dão o pigmento marcante às suas cascas. A alta concentração de nutrientes e o sabor agradável garantem a esses alimentos um lugar de destaque nas dietas, mas profissionais ressaltam que os benefícios têm caráter preventivo. “Quando ocorrem reações no nosso organismo como a queima de gordura, são formados os radicais livres, que são maléficos para as células. Os flavonoides se ligam aos radicais livres e não deixam que eles danifiquem as células”, explica Vivian Suen, médica nutróloga e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.  

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
carlos
carlos - 31 de Outubro às 17:00
A partir de 1972 o Ceilão passou a se chamar Sri Lanka.