Comer sobremesa ajuda a emagrecer, dizem pesquisadores americanos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/11/2015 06:05 / atualizado em 25/11/2015 12:11

Vilhena Soares

Bruno Peres/CB/D.A Press - 3/2/15

Pesquisadores americanos acabam de divulgar uma forte candidata a melhor notícia do ano: comer sobremesa pode ajudar a emagrecer. A conclusão foi obtida em um estudo com ratos, mas os autores do estudo, publicado na edição mais recente da revista especializada Hippocampus, consideram os resultados relevantes para serem investigados também em humanos.

Não se trata de uma conclusão absurda nem de mágica alguma. O que os cientistas notaram no laboratório é que os animais cuja dieta incluía açúcar tendiam a adiar mais a hora de fazer a próxima refeição. Em outras palavras, o doce gerava uma satisfação que influenciava os roedores a comerem menos. Na análise, os responsáveis pela investigação concluíram que esse efeito se deve à formação de uma memória episódica do ato de comer. “Memória episódica é a memória autobiográfica de eventos que ocorreram com você — o quê, como, onde e quando. É muito comum que apresente problemas com o envelhecimento ou devido a uma variedade de doenças”, explica ao Correio Marise Parent, professora no Instituto de Neurociência da Universidade do Estado da Geórgia e principal autora do estudo.

Com sua equipe, ela conduziu o experimento em que alguns ratos eram avaliados depois de serem alimentados com uma bebida que continha sacarose. O grupo notou que o consumo da bebida açucarada gerava, nos neurônios do hipocampo dorsal, um aumento significativo da expressão do marcador da plasticidade sináptica, chamado de proteína associada ao citoesqueleto regulada por atividade (ARC). Como a plasticidade sináptica é um processo necessário para a formação de memórias, o aumento desse marcador serviu de indicativo de que uma lembrança estava sendo gerada após a ingestão do doce.

Georgia University/Divulgação


Se esses ratos se sentem satisfeitos por mais tempo, a explicação pode estar, então, justamente na lembrança gerada. “Nós acreditamos que a memória episódica pode ser usada para controlar o comportamento de comer. Ela é responsável por decisões que tomamos, como quando pensamos: ‘Eu provavelmente não vou comer agora, pois eu tomei um poderoso café da manhã’. Tomamos decisões assim com base em nossa memória, com base no que e em quando comemos”, afirma Parent.

As conclusões são apoiadas em outros experimentos, nos quais os neurônios do hipocampo dorsal de cobaias foram desativados. Nesse caso, mesmo após uma refeição com sacarose, os ratos sentiam vontade de voltar a comer mais rapidamente. E um outro trabalho, realizado por cientistas londrinos, mostrou que interromper a codificação da memória de uma refeição em seres humanos, com ações como assistir à televisão, aumentou a quantidade de alimentos que eles consumiam durante a próxima refeição.

Contradições
Para Amauri Araújo Godinho, médico neurologista e neurocirurgião do Hospital Santa Lúcia, a pesquisa americana investiga uma relação já conhecida na neurologia entre as emoções e a memória. “O trabalho mostrou uma atividade das células do hipocampo, que são estimuladas por atividades prazerosas, como comer doces. E nossa memória está muito ligada às emoções. Geralmente nos lembramos daquilo que possui um ‘colorido’ emocional. Já que o doce nos dá prazer, lembramos dele com mais facilidade”, avalia o especialista, que não participou do estudo.

No entanto, apesar de o trabalho ter ressaltado a ligação entre o consumo do açúcar e as lembranças, o especialista não acredita que a ingestão de doces possa aumentar o intervalo entre uma refeição e outra. “Nós tendemos a ter um comportamento aditivo (de vício) para aquilo que nos faz sentir prazer, sempre querendo mais. Então, comer doces não quer dizer que você retarde a necessidade da comida; é contraditório. Fora que, dentro dessas questões, entram outras ações além do comportamento biológico. O discernimento de não comer mais, por exemplo, nem todo mundo tem”, argumenta Godinho.

Os autores do estudo reconhecem que mais investigações são necessárias para que se possa confirmar que o mesmo aconteça em humanos, o que eles pretendem fazer. “Nossa suposição é de que observaremos o efeito da sacarose também em humanos. Queremos analisar outras substâncias presentes em alimentos muito consumidos, como proteínas, gorduras e hidratos de carbono, para ver se eles podem ter a mesma ação”, adianta Parent. Ela acredita que, ao entender como o cérebro processa informações ligadas à alimentação, mais possibilidades para tratar problemas como a obesidade podem surgir. A cientista também destaca que o número de refeições realizadas entre os americanos tem aumentado, o que indicaria um risco maior de problemas de excesso de peso.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.