Frutas cítricas aumentam queima de gordura durante atividades físicas

Especialista alerta sobre os cuidados com esse tipo de suplementação

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/07/2016 06:05 / atualizado em 27/07/2016 06:50

 Adauto Cruz/CB/D.A Press - 10/2/09

 

Comer laranjas, tangerinas e toranjas pode ajudar a melhorar os resultados da academia. Segundo estudo espanhol, a p-sinefrina — presente em frutas cítricas — é a responsável pela turbinada. Os cientistas observaram que processos ligados à queima de gordura do corpo foram impulsionados pela suplementação com a substância enquanto voluntários praticavam atividades físicas. Os autores da pesquisa, publicada nesta semana na revista internacional British Journal of Clinical Pharmacology, acreditam que os achados podem servir para otimizar estratégias de perda de peso.

A p-sinefrina é encontrada em baixas concentrações nas frutas cítricas e em maior quantidade em produtos como o extrato de laranja amarga. Esse alcaloide também é usado como base de suplementos para o emagrecimento com a efedrina, um estimulante do sistema nervoso. Mesmo comercializada, a substância ainda não havia sido estudada a fundo. “Há pouca informação científica sobre os efeitos dessa substância no metabolismo, a oxidação de substratos de energia durante o exercício e os efeitos colaterais do consumo contínuo dela”, justificou, em um comunicado à imprensa, Juan Del Coso, pesquisador da Universidade Camilo José Cela, na Espanha, e um dos principais autores do trabalho.

Participaram do experimento 18 pessoas, que foram submetidas a duas etapas de teste: na primeira, consumiram 3mg de p-sinefrina e, depois, um placebo, usado para a comparação dos resultados. Uma hora após a ingestão de cada substância, os cientistas mediram o gasto de energia. A pressão arterial foi medida antes e depois de os voluntários usarem uma bicicleta ergométrica.

Os pesquisadores observaram melhora em processos envolvidos na queima de gordura do corpo quando os voluntários consumiram o alcaloide. “A substância provocou uma mudança notável durante o exercício. Aumentou a taxa de oxidação de gordura e de carboidrato durante exercícios de intensidade baixa para moderada”, explicou o especialista. A equipe observou também que a substância não alterou o gasto de energia, a frequência cardíaca e a pressão arterial.

“A vantagem da p-sinefrina é que a sua ação reduzida não alterou a ativação de alguns receptores específicos, o que, consequentemente, reflete em uma fraca influência no aumento da tensão arterial e da frequência cardíaca. Isso significa que a substância tem menos efeitos colaterais do que outros estimuladores de adrenalina”, destacou Del Coso. A equipe acredita que suplementos de p-sinefrina possam ser úteis na perda de peso.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.