Plantas ornamentais podem ajudar a diminuir a poluição do ar dentro de casa

Segundo estudo sobre o tema, as bromélias são as mais eficientes para essa função

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/08/2016 07:00 / atualizado em 27/08/2016 15:16

Arte/CB/DA Press
Quando se fala em poluição do ar, a maioria das pessoas pensa nas substâncias emitidas por carros e fábricas. Porém, o perigo também está dentro de casa. Encontrados em tintas de parede e de impressoras, móveis, produtos de limpeza e até em roupas, os chamados compostos orgânicos voláteis (COVs), como acetona, benzeno e formaldeído, são emitidos de forma gasosa e, quando inalados, causam efeitos adversos à saúde. Podem provocar desde problemas passageiros, como tontura, até condições mais graves, incluindo alguns tipos de câncer.

No 252º Encontro Nacional da Sociedade Americana de Química, pesquisadores da Universidade Estadual de Nova York em Oswego apresentaram uma solução simples para mitigar os efeitos da chamada síndrome do edifício doente, que impacta negativamente tanto a saúde humana quanto a do ambiente. Eles descobriram que cultivar alguns tipos de plantas próprias para o interior das casas pode combater os efeitos dos COVs, ao removê-los da atmosfera.

“Nós nos esquecemos de que o ar é o material mais consumido por humanos: cada um de nós respira 13 mil litros de ar por dia, e não podemos ficar sem ar por mais de três minutos. Isso significa que a qualidade da atmosfera é muito importante e que precisamos de ar limpo”, lembrou, em uma coletiva de imprensa transmitida pela internet, o principal autor do trabalho, o químico Vadoud Niri.

Infelizmente, ressaltou o especialista, existe muita poluição atmosférica nos ambientes internos. “Na verdade, os estudos mostram que a concentração de alguns desses poluentes é de três a cinco vezes maior dentro de casa, e a razão disso é que eles vêm de produtos que temos em casa ou nos escritórios, como tinta, carpetes e impressoras”, continuou.

Sintomas

De acordo com Niri, inalar quantidades grandes desses produtos pode levar algumas pessoas a desenvolver a síndrome do edifício doente, o que reduz a produtividade e pode causar tontura, asma e alergia. Esse mal é definido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como “conjunto de doenças causadas ou estimuladas pela poluição do ar em espaços fechados”.

A solução mais comum para combater os compostos orgânicos voláteis é instalar sistemas de ventilação que removem o ar para o lado de fora. Existem também métodos para removê-los, usando absorção, condensação e reações químicas. Contudo, Niri estuda uma ferramenta simples e barata para eliminar as substâncias: o uso de plantas para retirar produtos químicos do ar de ambientes internos, processo chamado biofiltração ou fitoremediação. Além do dióxido de carbono, as plantas absorvem gases como benzeno, tolueno e outros tipos de COVs.

 

Leia mais notícias em Ciência e Saúde

 

O químico contou que, pesquisando o assunto, encontrou um estudo de 1984 da agência espacial americana, a Nasa, segundo o qual as plantas podem absorver tais compostos por meio das folhas e raízes. Desde então, outros pesquisadores investigaram como as espécies remediam os efeitos de substâncias específicas, como o formaldeído, um agente carcinogênico, em espaços fechados.

“O motivo disso não é completamente conhecido, mas há muitas hipóteses, algumas baseadas na fotossíntese. A planta absorve o CO2 e o degrada em outros químicos. Basicamente, ele vai para o ciclo de carbono”, disse Niri. De acordo com ele, a maior parte dos estudos sobre a biofiltração foca a remoção de um tipo de COV por uma espécie de planta. Contudo, o químico quis comparar a eficiência e a taxa de limpeza simultâneas de vários compostos por diversas plantas.

Testes
Para isso, ele construiu uma câmara selada contendo concentrações específicas de diversos COVs. Então, monitorou a circulação dos compostos ao longo de diversas horas com e sem a presença de plantas no interior da engenhoca. Para cada espécie, ele anotou qual COV a planta remove, o tempo que leva para retirá-lo do ar e o quanto das substâncias químicas foi eliminado, no fim do experimento.

A equipe de Niri testou cinco tipos comuns de plantas cultivadas dentro de casa na região de Nova York, onde mora. Essas espécies também são comuns no Brasil: planta-jade (Crassula argentea), planta-aranha (Crassula argentea), bromélia-estrela-escarlate (Guzmania lingulata), cactus-do-caribe (Consolea falcata cactus) e dracena (Dracaena fragrans). Os pesquisadores descobriram que a bromélia consegue remover mais de 80% de seis dos oito compostos em um período de 12 horas — foi a mais eficiente de todas.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui

 

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.