Pesquisa identifica área do cérebro ligada a "fazer o bem aos outros"

O achado pode ajudar a entender distúrbios como a psicopatia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/08/2016 08:10 / atualizado em 28/08/2016 14:16

Arte/Cb/DA Press
“Amar o próximo é tão démodé.” Com esse verso, da canção Baader-Meinhof blues, o líder da Legião Urbana, Renato Russo, refletia sobre a generosidade, ou a falta dela. Ele não estava sozinho. Entender o que leva uma pessoa a fazer o bem a outra, muitas vezes de forma desinteressada, é uma preocupação de cientistas de diversas áreas, da antropologia à neurociência. Em um estudo recentemente publicado na revista especializada Proceedings of the National Academy of Sciences (Pnas), especialistas do Reino Unido afirmam ter encontrado uma região do cérebro diretamente ligada a esse tipo de ação, um achado que pode ajudar a entender melhor o comportamento humano e distúrbios psiquiátricos como a psicopatia.

Responsável pelo trabalho, Patricia Lockwood explica ao Correio que o sentimento de empatia, ou a habilidade de se colocar no lugar do outro, é uma peça fundamental para entender os chamados comportamentos pró-sociais, mas o tema permanece repleto de questões em aberto. “Embora a maioria das pessoas tenha uma inclinação notável para se envolver em comportamentos pró-sociais, existem diferenças substanciais entre os indivíduos. A empatia, a capacidade de sentir a experiência do próximo e entender seus sentimentos, foi apresentada como um motivador crítico de comportamentos pró-sociais, mas nós quisemos testar por que isso ocorre e como eles estão ligados”, diz a pesquisadora da Universidade de Oxford, no Reino Unido.

A cientista conta que o ponto de partida foram estudos feitos anteriormente com primatas. “Encontrei um artigo recente no qual os cientistas mostravam que o comportamento pró-social de macacos parece ligado à amígdala (região do cérebro) e à ocitocina (neurotransmissor)”, lembra Lockwood. Assim, ela e colegas decidiram investigar o tema em humanos, contando para isso com a ajuda de 31 voluntários, todos homens adultos.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.