Conheça os benefícios e os malefícios do eletrochoque

O retorno da técnica, aperfeiçoada, aconteceu nos anos 2000, mas ainda não está totalmente claro por que a convulsão induzida produz benefícios relatados por pacientes

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 02/10/2016 06:00 / atualizado em 02/10/2016 12:08

 

 

Como muitas outras descobertas da ciência, a associação entre convulsão e abrandamento dos sintomas psiquiátricos aconteceu por acaso. Considerado um dos fundadores da neurologia, o Nobel de medicina e fisiologia Julius Wagner von Jauregg percebeu, no início do século 20, que pacientes de transtornos mentais com infecções graves, que levavam a uma febre alta convulsiva, apresentavam melhora significativa. Testes conduzidos por ele em pessoas com neurossífilis avançada — doença incurável e progressiva, que leva a depressão, paranoia e comportamento violento — foram bem-sucedidos e abriram caminho para outras experiências.

No início, substâncias como cânfora e insulina foram usadas para induzir a convulsão em pacientes psiquiátricos. Até que, em abril de 1938, o neurologista italiano Ugo Cerletti conduziu a primeira sessão pública de eletrochoque em um laboratório da Clínica de Doenças Nervosas e Mentais da Universidade Régia de Roma. De acordo com Alessandro Aruta, pesquisador do Museu de História da Medicina da Universidade de Roma, o paciente era um jovem esquizofrênico, levado pela polícia ao hospital semanas antes, depois de ser encontrado vagando pelas ruas da capital. Sem exibir sinais de emoções e incapaz de se comunicar, ele foi deitado em uma cama e teve dois eletrodos encostados nas têmporas. “Depois do tratamento, o paciente começou a se interessar pelo que havia em sua volta; a mente clareou e pareceu estar em boa saúde”, descreve Aruta em um artigo publicado no jornal Medical History.



A indução da convulsão por meio da eletricidade continuou mostrando bons efeitos para minimizar sintomas psiquiátricos. Contudo, à custa de enorme sofrimento e desrespeito aos direitos humanos. Por décadas, o eletrochoque foi aplicado em alta voltagem, contra a vontade do paciente, que, diferentemente de hoje, não era anestesiado nem recebia relaxante muscular. Dessa forma, além de estar acordado durante o procedimento, o corpo inteiro convulsionava, provocando dores e gerando as pavorosas cenas do doente se debatendo, enquanto amarrado ou segurado por vários enfermeiros. Sem ninguém para regular sua aplicação, a técnica se banalizou, passando a ser usada para indicações controversas, como em usuários de drogas — algo proibido atualmente —, ou para punir/acalmar internos de clínicas e manicômios.

 

Minervino Junior/CB/D.A Press
 

 

A partir de meados da década de 1970, denúncias e críticas sobre o eletrochoque se intensificaram. Aos poucos, vários países começaram a bani-lo. No Brasil, pouco a pouco foi desaparecendo dos hospitais públicos — em Brasília, a última sessão no Hospital de Base ocorreu em 1991. Contudo, com o aperfeiçoamento da técnica, o rigor das diretrizes de associações médicas nacionais e internacionais e as evidências científicas da melhora dos pacientes, a ECT começou a voltar nos anos 2000, sendo oferecida, hoje, em alguns hospitais universitários em São Paulo, no Rio Grande do Sul, no Rio de Janeiro e em Pernambuco, entre outros. No Hospital Universitário de Brasília (HUB), não há o serviço.

O psiquiatra e pesquisador Moacyr Alexandro Rosa, vice-presidente da Associação Brasileira de Estimulação Cerebral (Abecer), explica que os mecanismos de ação da eletroconvulsoterapia ainda estão sendo pesquisados. “Os efeitos são semelhantes aos dos fármacos, ela reduz receptores, libera hormônios e altera o ritmo cerebral. Mas faz isso de forma mais rápida. A depressão pode ser uma doença mortal. Quando você tem um paciente com risco de suicídio, não pode esperar semanas até que o remédio faça efeito”, defende. “Depois do tratamento, você observa que houve modificações nas conexões entre os neurônios, alterações em áreas cerebrais. A ECT parece organizar os circuitos neurais”, complementa a psiquiatra Raquel Carvalho Mergulhão, que atua com a técnica.

Vontade de viver
Se, no passado, a ECT causava medo nos pacientes, hoje eles parecem bastante à vontade com a técnica. Depois de um tratamento de 11 sessões, o engenheiro civil Eduardo (nome fictício a pedido do entrevistado), 38 anos, diz que o tratamento devolveu a ele a vontade de viver. Desde 2014, ele vinha travando uma batalha contra uma depressão severa, desencadeada após um episódio de síndrome de pânico, que o afastou do trabalho, da vida social e da própria casa. “Eu estava numa apatia total, não conseguia comer, não conseguia dormir nem com medicamento. Comecei a ter ideias suicidas”, conta. Eduardo voltou a morar com os pais. “Nem os antidepressivos estavam fazendo efeito. Trocava de remédio e nada. Também fiz terapia e não vi melhora”, recorda.

Diante desse quadro, um psiquiatra o encaminhou à ECT. Desconfiado, o engenheiro não acreditou que a técnica poderia ajudá-lo, mas foi incentivado pela família. “O apoio dos meus pais foi fundamental. Eles ficavam o tempo todo ao meu lado, sempre me acompanhavam e conversavam com os médicos.” De acordo com Eduardo, as sessões não traziam nenhum tipo de desconforto, mas, nos dias que se seguiam, ele costumava sofrer com um efeito comum e bastante incômodo da técnica: o esquecimento (veja infografia). Eduardo relata que a melhora foi gradativa. Seis meses depois do tratamento, ele voltou a morar sozinho. “Hoje não tenho mais nada. Trabalho bem, tenho muitas amizades, participo de muitas coisas, gosto de sair”, enumera. “Quero viver bem para compensar esse período em que fiquei deprimido”, diz.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.