Yoshinori Ohsumi vence o Nobel de Medicina por pesquisas sobre a autofagia

Estudos são cruciais para entender como as células se renovam e a resposta do corpo à fome e às infecções

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/10/2016 06:59 / atualizado em 03/10/2016 08:54

Jiji Press/AFP

Estocolmo, Suécia - O japonês Yoshinori Ohsumi foi anunciado nesta segunda-feira (3/10) como o vencedor do prêmio Nobel de Medicina de 2016 por suas pesquisas sobre a autofagia, cruciais para entender como as células se renovam e a resposta do corpo à fome e às infecções. "As mutações dos genes da autofagia podem provocar doenças e o processo autofágico está envolvido em várias afecções como o câncer e as enfermidades neurológicas", destacou o júri do prêmio.

Toru Yamanaka/AFP


O conceito de autofagia surgiu nos anos 1960, quando os pesquisadores observaram pela primeira vez que as células poderiam destruir seu próprio conteúdo, envolvendo o mesmo e transportando para um "compartimento de reciclagem" chamado lisossoma, explicou a Assembleia Nobel do Instituto Karolinska, que concede o prêmio.

O conhecimento do fenômeno foi, no entanto, limitado até os trabalhos de Yoshinori Ohsumi que, no início dos anos 1990, realizou "experiências brilhantes" com lêvedo e identificou os genes da autofagia. Ele evidenciou os mecanismos subjacentes e mostrou que o mesmo sistema funcionava no corpo humano.

Jonathan Nackstrand/AFP


Yoshinori Ohsumi, de 71 anos, nascido em Fukuoka, obteve o doutorado em 1964 na Universidade de Tóquio. Depois de três anos na Universidade Rockefeller de Nova York, retornou para a capital japonesa para criar o próprio laboratório. Desde 2009 é professor do Instituto de Tecnologia de Tóquio. "Ficou um pouco surpreso", afirmou o secretário do júri, Thomas Perlmann, que telefonou para o japonês antes do anúncio.

Yoshinori Ohsumi sucede William Campbell, americano nascido na Irlanda, o japonês Satoshi Omura e a chinesa Tu Youyou, premiados em 2015 por pesquisas sobre tratamentos contra as infecções parasitárias e a malária. O diploma e a medalha Nobel são acompanhados de uma premiação de oito milhões de coroas suecas (834 mil euros, 934 mil dólares).

Premiação
O Nobel de Medicina é o primeiro da temporada. Na terça-feira será anunciado o prêmio de Física e no dia seguinte o de Química. Na sexta-feira será a vez do Nobel da Paz e na segunda-feira o de Economia. O Nobel de Literatura fecha a temporada em 13 de outubro.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Robes
Robes - 03 de Outubro às 15:27
Pior que um indivíduo brilhante como esse, mesmo no Japão, tem retorno financeiro menor do que médico acupunturista que tem clínica conhecida. Mas, esse tipo de pessoa nunca coloca o lado financeiro acima do conhecimento e do prazer de se desenvolver. Aqui no Brasil, você percebe isso claramente ao ver o salário de um Doutor e um de técnico de tribunal, de agência pública e, inclusive, alguns Ministérios. É a valorização da mediocridade em detrimento do desenvolvimento de uma sociedade mais humana e capaz de solucionar conflitos.