151 municípios podem ter repasse do Ministério da Saúde suspenso

Lançado há dois meses, o programa de prontuário eletrônico pretende que todas as unidades básicas de saúde do País passem a funcionar de forma integrada

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 14/12/2016 14:12

Balanço divulgado nesta quarta-feira (14/12), pelo Ministério da Saúde mostra que 151 municípios ainda não informaram por que não aderiram ao Sistema de Prontuário Eletrônico. Todos correm o risco de ter suspensos os repasses feitos pela pasta para financiar atividades na assistência básica de saúde.


Lançado há dois meses, o programa de prontuário eletrônico pretende que todas as unidades básicas de saúde do País passem a funcionar de forma integrada, por meio do uso de sistemas informatizados. A ideia é que todas informações do pacientes fiquem em um banco, o que permitiria aos profissionais ter acesso a todos histórico, sintomas, exames realizados, remédios usados.

A ideia não é nova. Há pelo menos 15 anos o ministério anuncia investimentos e iniciativas para integrar as informações.

 

Leia mais em Ciência e Saúde 

 

A iniciativa anunciada pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros há dois meses teve como ponto de partida a oferta de um sistema, o e-Sus AB. Cidades tiveram dois meses para informar se adotariam o sistema, se já dispõem de um programa próprio ou de se não têm condições técnicas e operacionais para, neste momento, integrar a rede. De acordo com Barros, a maior parte dos municípios já apresentou informação.

"O prazo foi prorrogado. Não é nossa intenção suspender recursos Queremos sim ter acesso a informação sobre as razões que levam as prefeituras a não adotar os sistemas", disse Barros.

Numa próxima etapa, com base na análise das justificativas dos municípios que não adotaram os sistemas, o Ministério lançará estratégias para superar essas dificuldades. Entre as medidas estão a aquisição de equipamentos, capacitação de pessoal e ações para melhorar a conectividade da rede.

 

Por Agência Estado

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.