Após teste em humanos, vacina contra a malária se mostra segura

Técnica de imunização utiliza os parasitas que causam a doença, mas com a ação atenuada geneticamente

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/01/2017 06:00 / atualizado em 05/01/2017 07:58

Philippe Hugen/AFP - 23/8/16


Descoberto em 1880, o parasita que causa a malária jamais foi vencido pelo homem. Embora exista tratamento para a doença, até hoje a única forma de prevenção é usar mosquiteiros banhados em inseticida, medida que pode não funcionar para toda a população em risco, estimada em 50% do planeta. Não à toa, em 2015 a Organização Mundial da Saúde contabilizou 214 milhões de casos e 438 milhões de mortes associadas à enfermidade, endêmica na região Norte do Brasil. Agora, cientistas do Centro de Pesquisas de Doenças Infecciosas (CIDR) e do Centro de Pesquisas Fred Hutchinson, ambos nos Estados Unidos, anunciaram um avanço no desenvolvimento de uma vacina contra o mal.

Leia mais notícias de Ciência e Saúde

Na edição de hoje da revista Science Translational Medicine, os pesquisadores descreveram uma técnica que utiliza parasitas atenuados geneticamente. A intervenção, além de se mostrar segura e bem tolerada pelo organismo, estimula a resposta imunológica necessária para que, mesmo se picada pelo mosquito infectado, a pessoa não desenvolva a doença. Já existe uma vacina contra a doença, com aplicação em programa-piloto prevista para 2018 na África Subsaariana. A proteção que ela oferece, contudo, é parcial, e estudos recentes demonstraram que a substância vai perdendo a eficácia com o tempo.

 



“Para eliminar a malária por completo, necessitamos de uma vacina efetiva”, diz Sebastian Mikolajczak, pesquisador do CIDR e líder do estudo. De acordo com ele, a nova substância está na “linha de frente” do desenvolvimento de uma vacina contra malária. Depois de ser investigada com sucesso em modelos animais, a substância passou no teste de segurança — o estudo publicado hoje se baseia nos resultados do ensaio clínico de fase 1, quando se verifica, em humanos, se o composto é bem tolerado pelo organismo.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.