Animais de grande porte estão na lista de espécies em risco de extinção

Para especialistas, a perda do habitat, geralmente consequência de ações humanas, é a principal razão do fenômeno

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/01/2017 06:00 / atualizado em 16/01/2017 23:14

Julian Fennessy/Divulgação

 

Os animais de grande porte estão entre as espécies que mais sofrem com as mudanças ambientais. A alta demanda por espaço e alimento faz com que suas populações diminuam drasticamente com a perda de habitat, considerada hoje a principal ameaça à sobrevivência da vida selvagem. É o caso da girafa, que entrou em dezembro passado na lista de animais em risco de extinção elaborada pela União Internacional para a Conservação da Natureza, a IUCN. A pescoçuda faz agora parte de um grupo ocupado por outros gigantes da fauna, como os elefantes e os orangotangos.

 

Leia mais notícias em Ciência e Saúde

 

“Animais maiores são uns dos primeiros a começar a sumir. Grandes carnívoros, como a onça, precisam de muitas presas. A área que demandam para viver é muito grande. Com a perda do habitat, as populações ficam reduzidas”, explica Mariana Napolitano, coordenadora do Programa de Ciências do WWF-Brasil. Um estudo publicado na revista Bioscience, em julho, mostra que a maioria dos grandes mamíferos terrestres, como a girafa e o elefante, sofre com declínios em suas populações e em seus habitats. O artigo aponta que 59% dos maiores carnívoros, com mais de 15kg, estão ameaçados de extinção, assim como 60% dos maiores herbívoros, com mais de 100kg.

O cenário é tão crítico para a biodiversidade animal que cientistas dizem que estamos vivendo um novo evento de extinção em massa. Segundo pesquisa publicada em 2015 na revista Science Advances, o ritmo médio de desaparecimento de vertebrados está “até 100 vezes maior do que o padrão, mesmo considerando que a nossa estimativa tende a minimizar as evidências”. Os pesquisadores afirmaram utilizar uma estimativa conservadora e que a taxa — a maior observada desde a extinção dos dinossauros — pode ser ainda maior.

As atividades ligadas à expansão humana são de longe as maiores causadoras de estresse na natureza. Segundo Max Fancourt, da IUCN, esses fatores afetam cada grupo de animais de forma distinta. “As ameaças mais destrutivas dependem do grupo de espécies, da sua localização e do seu tamanho.” Rosa Subirá, da Coordenação Geral de Manejo para Conservação do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, o ICMBio, lista as principais ameaças identificadas. “Grosso modo, nesta ordem: atividades agropecuárias, expansão urbana, empreendimentos ligados à geração de energia, poluição, caça e captura ilegal de animais, queimadas, mineração, turismo desordenado, empreendimentos ligados ao transporte e presença de espécies exóticas.”

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui 

*Estagiário sob a supervisão de Carmen Souza.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.