Com dores de cabeça, mulher descobre que uma barata vivia em seu crânio

Inseto teria entrado pelo nariz enquanto a mulher dormia e se alojado entre os olhos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 06/02/2017 22:34 / atualizado em 06/02/2017 23:09

Public Domain
 
Uma barata viva dentro do crânio de uma mulher indiana de 42 anos levou a uma cirurgia inédita e bizarra, na Índia. A paciente, identificada apenas pelo primeiro nome, Selvi, relatou aos cirurgiões que tinha sensações estranhas ao redor do nariz e dos olhos, antes da retirada do inseto. 
 
 
 Quem alertou para os sinais de um possível problema de saúde foi o enteado da paciente, que decidiu levá-la a um hospital público na cidade de Injambakkam, Sul da Índia. Segundo o site de notícias local The New Indian Express, Selvi estava dormindo quando a barata entrou na cabeça dela, provavelmente pelo nariz. Ela chegou a tentar retirar o inseto, mas não conseguiu. Depois de uma endoscopia nasal, os médicos encontraram a barata viva, entre os olhos da paciente. "Este é o primeiro caso do tipo que eu vi em três décadas de medicina", disse o médico M. N. Shankar ao site indiano.

A mulher contou que sentia fortes dores de cabeça antes de visitar o hospital. "Eu não consigo explicar a sensação, mas eu tinha certeza que era um inseto, parecia um zumbido. Toda vez que ela se movia, eu sentia meus olhos queimando. Passei a noite toda desconfortável, esperando um médico me atender", disse Selvi.

Apesar do enorme desconforto de ter uma barata viva caminhando em seu crânio, os médicos disseram que se o inseto tivesse morrido, poderia ter prejudicado o cérebro de Selvi. "Ela apareceu na hora certa. Se tivesse ficado dentro dela, a barata teria morrido e a paciente teria uma infecção que iria se espalhar para o cérebro", explicou Shankar.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Vaneide
Vaneide - 09 de Fevereiro às 13:20
História pra boi dormir.
 
Sérgio
Sérgio - 07 de Fevereiro às 13:30
Imaginem o ambiente em que vive essa cidadã! Credo...