Dieta baseada em redução de carboidrato emagrece mais

Dependendo do regime, a perda de peso pode ser de 1kg a 4kg maior, comparado aos que restringem a gordura

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 08/02/2017 06:05

Uma dieta baseada no consumo reduzido de carboidrato promove um pouco mais de perda de peso que regimes focados em baixo teor de gordura, diz um artigo da Clínica Mayo do Arizona publicado no The Journal of the American Osteopathic Association. De acordo com os médicos da instituição norte-americana que avaliaram as mais comuns estratégias de emagrecimento, aquelas que limitam a ingestão de carboidratos, como Atkins, South Beach e Paleolítica, são seguras por até seis meses. Dependendo do regime, a perda de peso pode ser de 1kg a 4kg maior, comparado aos que restringem a gordura.

 

Leia mais notícias em Ciência e Saúde

 

“A melhor conclusão é que aderir a uma dieta de baixo teor de carboidrato por pouco tempo parece seguro e pode estar associado à redução de peso”, diz Heather Fields, médica da Clínica Mayo, que, contudo, destaca que não está indicando esse tipo de regime. “Nós encorajamos os pacientes a comer comida de verdade e evitar alimentos altamente processados, principalmente as carnes processadas, como bacon, salsicha, cachorros-quentes, salame e presunto, independentemente da dieta que estejam seguindo”, diz.

 

Para fazer o estudo, os especialistas analisaram dados coletados de janeiro de 2005 a abril de 2016. Fields reviu artigos que investigaram os efeitos adversos em potencial e a segurança geral das dietas de baixo teor de carboidrato. Geralmente, as que restringem excessivamente essa substância levam ao consumo maior de carne — algumas delas implicaram em aumento de risco de câncer e de mortalidade por todas as causas.

 

Enquanto os estudos disponíveis não se endereçaram consistentemente à fonte ou à qualidade de proteínas e gorduras consumidas nesses regimes, eles mostraram a eficácia de curto prazo na perda de peso, sem efeitos negativos na pressão sanguínea, na glicose e no colesterol.

 

Os dados, porém, vêm com uma advertência, diz Fields. “Os médicos devem ter em mente que a literatura (sobre o tema) é surpreendentemente limitada, considerando a popularidade dessas dietas e os benefícios à saúde alegados. Nossa revisão não encontrou questões de segurança na literatura médica atual, mas pacientes considerando esse tipo de dieta deveriam ser alertados de que há poucos dados sobre segurança e eficácia a longo prazo.”

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.