Mudança climática pode provocar dilúvios na região africana do Sahel

O aquecimento poderá provocar a chegada repentina de uma temporada de chuvas muito intensas sobre a região

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 07/07/2017 10:22

Stephane De Sakutin/AFP

Paris, França - Os dilúvios podem se multiplicar abruptamente na região africana do Sahel por conta das mudanças climáticas que alteram o regime de monções, segundo um estudo publicado nesta quarta-feira.

O aquecimento poderá provocar a chegada repentina de uma temporada de chuvas muito intensas sobre a região, uma vez superada a barreira dos +2º, inclusive de 1,5º, em relação à temperatura registrada durante a era pré-industrial, indicam estas pesquisas baseadas em simulações e publicadas pela revista Earth System Dynamics.

"Apesar dos possíveis benefícios [em certos aspectos] de passar deste ponto, a mudança poderia ser tão grande que se transformaria em um desafio de adaptação maior para essa região, que por si só já é instável", destaca em um comunicado o Postdam Institute for Climate Impact Research (PIK). "A amplitude da mudança precisa de uma atenção urgente", previne Anders Levermann, pesquisador no PIK.

O centro do Mali, Niger e Chade poderiam receber tanta água quanto o norte de Camarões ou o centro da Nigéria atualmente, caracterizados por seu clima tropical. Esta mudança está relacionada ao aquecimento dos oceanos vizinhos, tanto que o vento monção proveniente do Atlântico se reforça e vai para o norte. A chuva, por sua vez, atenua o calor quando despenca, convertendo o processo em um círculo vicioso.

As tempestades na região do Sahel estão "entre as mais explosivas do planeta", destacam os pesquisadores, insistindo sobre o risco de inundações e do impacto na saúde em cidades muitas vezes desprovidas de infraestrutura mínima, além de prejudicar a agricultura. O Sahel é uma frágil região que foi castigada por uma seca histórica durante 20 anos, entre as décadas de 1970-1980.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.