Peru apresenta imagem da Senhora de Cao, que governou há 1.700 anos

A reconstrução do rosto foi coordenada por arqueólogos e especialistas. A Senhora de Cao é reconhecida pelos arqueólogos como uma das primeiras governantes mulheres do antigo Peru, no século IV d.C

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 07/07/2017 10:26

Ministerio de Cultura del Peru/Divulgação
Lima, Peru - As autoridades peruanas apresentaram na terça-feira (4/7) a imagem do rosto da mulher que governou o norte do país há 1.700 anos, a Senhora de Cao, reconstruída de forma digital, que é considerada uma das mulheres mais poderosas do Peru pré-hispânico.

"Como foi a descoberta da Senhora de Cao, que revelou a liderança política e religiosa feminina nesta riquíssima cultura do norte do Peru, agora temos o privilégio de apresentar a combinação entre futuro e passado: a tecnologia nos permite ver o rosto de uma líder política, religiosa, cultural do passado", disse o ministro da Cultura, Salvador del Solar, ao inaugurar em Lima a exposição na qual é possível observar a imagem e uma réplica da múmia da Senhora de Cao.

A reconstrução do rosto foi coordenada por arqueólogos e especialistas, que trabalharam nos últimos 10 meses com imagens digitalizadas e em 3D a partir de mostras de rostos de moradores da localidade de Magdalena de Cao (norte), no vale de Chicama, área da cultura pré-hispânica Mochica. 

A Senhora de Cao é reconhecida pelos arqueólogos como uma das primeiras governantes mulheres do antigo Peru, no século IV d.C. A descoberta da múmia da Senhora de Cao, em 2006, foi coordenada pelo arqueólogo Régulo Franco e aconteceu na província de Ascope, 700 km ao norte de Lima.

A descoberta aconteceu na pirâmide Cao Velho, onde os especialistas encontraram uma mulher tatuada que depois foi chamada de Senhora de Cao ou Dama de Cao. A tumba está cercada por cetros de madeira forrados de cobre, utilizados nas cerimônias como símbolos de poder e hegemonia, além de placas de metal soltas que cobriam a mortalha de algodão natural. No local atualmente existe um museu, onde a múmia original está em exposição. A descoberta foi considerada um marco, porque até então se acreditava que nenhuma mulher havia exercido qualquer autoridade no Peru pré-hispânico. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.