Leucemia: especialistas defendem aprovação de terapia genética

Cerca de 90% dos pacientes tratados viram sua leucemia desaparecer nos primeiros testes clínicos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/07/2017 10:06

  Gabriela Acklin/Divulgação - 25/08/2015


Washington, Estados Unidos -
Um grupo de especialistas recomendou na quarta-feira (12/7) à agência americana de medicamentos (FDA) a aprovação do primeiro tratamento que modifica geneticamente o sistema imunológico de um paciente para combater a leucemia. A recomendação, que a FDA deve ratificar, abre caminho para a comercialização da primeira terapia genética.
 
Chamado "CTL019", o tratamento foi desenvolvido por um pesquisador da Universidade da Pensilvânia e patenteado pelo laboratório suíço Novartis para tratar a leucemia linfoblástica aguda. A técnica funciona retendo e congelando as células imunes do paciente antes de elas serem modificadas geneticamente em um laboratório, para reconhecer e atacar o câncer.


Cerca de 90% dos pacientes tratados viram sua leucemia desaparecer nos primeiros testes clínicos. O grupo de especialistas independentes recomendou a aprovação deste tratamento para crianças e jovens adultos que tenham resistido a outras terapias contra a leucemia ou que tenham tido recaídas.
 
A jovem Emily Whitehead, hoje com 12 anos, foi a primeira a receber essa terapia genética em 2012, em um hospital da Pensilvânia, quando tinha seis anos. Os efeitos secundários foram severos - febre, queda da pressão arterial e congestão dos pulmões - mas a menina venceu a doença e hoje em dia não dá sinais do câncer. Ela compareceu à apresentação da FDA junto com seus pais.
 
Considerando esse êxito, em 2014 a FDA deu a esta terapia genética o status de "avanço terapêutico" e tem viabilizado sua chegada rápida ao mercado.
 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.