Seca grave na Itália leva ao corte do abastecimento de fontes históricas

Segundo os cálculos oficiais, nos últimos seis meses a Itália perdeu o equivalente a 20 bilhões de metros cúbicos de água, algo tão grande como o lago de Como, no norte do país

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 26/07/2017 09:48

Roma, Itália - A Itália registra uma das secas mais graves da sua história recente: dez regiões pedem que seja declarado o estado de calamidade natural, o campo denuncia danos consideráveis, Roma planeja racionar a água corrente e o Vaticano corta o abastecimento de suas fontes. A nova emergência que atinge a península italiana é fruto de uma temporada particularmente seca. 

Segundo os cálculos oficiais, nos últimos seis meses a Itália perdeu o equivalente a 20 bilhões de metros cúbicos de água, algo tão grande como o lago de Como, no norte do país. Segundo a agência nacional de meteorologia, a Itália viveu neste ano a segunda temporada mais seca dos últimos 60 anos e recebeu 33% menos de chuvas em relação aos anos anteriores.

Cerca de 300 das famosas fontes públicas da capital já foram desligadas, e este número deve aumentar. As fontes históricas dos escultores do século XVII Carlo Maderno e Gian Lorenzo Bernini na Praça de São Pedro estavam secas nesta terça-feira (25/7), após o Vaticano decidir cortar seu abastecimento. A região do Lácio está considerando racionar a água em Roma a partir de sábado para 1,5 milhão de habitantes por até oito horas por dia, embora o prefeito da cidade seja contrário à proposta. 


Apesar do ministro do Meio Ambiente, Gian Luca Galletti, desejar evitar qualquer alarmismo, as perdas no setor agrícola e pecuário já ultrapassam dois bilhões de euros. A situação do rio Pó, o maior da Itália, do qual depende 35% da produção agrícola nacional, é preocupante. Seu nível baixou 50 centímetros em comparação com o do ano passado no mesmo período, segundo Coldiretti, o maior sindicato agrícola do país.

Dez das vinte regiões italianas pediram que se declare zona de desastre natural, o que implica a suspensão do pagamento de impostos para os agricultores e o acesso a um fundo de compensação. Para alguns especialistas não se trata apenas dos efeitos das mudanças climáticas, mas também da má manutenção do sistema hídrico e dos abusos, como a criação de campos de golfe em terras desérticas.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.