Fazendas em alto mar podem ajudar a alimentar população em expansão

A aquicultura costeira e interior já representa mais da metade dos peixes consumidos em todo o mundo. Muitas regiões, especialmente na África e na Ásia, dependem dos peixes para a ingestão de proteínas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 15/08/2017 10:42

Paris, França - A colheita de peixes e mariscos de fazendas em alto mar poderia ajudar a fornecer proteínas essenciais para uma população global que está prevista para aumentar um terço, chegando a 10 bilhões em meados do século, disseram pesquisadores nesta segunda-feira (15/8). 

As zonas de mar aberto adequadas têm o potencial de produzir 15 bilhões de toneladas de peixe a cada ano, mais de 100 vezes o consumo mundial de frutos do mar, segundo um estudo publicado na revista científica Nature Ecology & Evolution.

A aquicultura costeira e interior já representa mais da metade dos peixes consumidos em todo o mundo. Muitas regiões, especialmente na África e na Ásia, dependem dos peixes para a ingestão de proteínas. Mas a poluição severa, o aumento dos custos e a intensa competição por imóveis costeiros significam que a produção nessas áreas não pode se expandir indefinidamente. 

As capturas de pesca selvagem, enquanto isso, se estabilizaram ou estão em declínio. "Os oceanos representam uma imensa oportunidade para a produção de alimentos, mas o ambiente do oceano aberto é amplamente inexplorado como um recurso agrícola", observaram os autores. 

Para avaliar esse potencial, uma equipe de pesquisadores liderada por Rebecca Gentry, professora da Universidade da Califórnia em Santa Bárbara, realizou uma série de cálculos. Os pesquisadores concluíram que cerca de 11,4 milhões de quilômetros quadrados de oceano poderiam ser desenvolvidos para peixes, e 1,5 milhão de quilômetros quadrados para bivalves, como os mexilhões. 


 "Grande potencial" 
Atualmente, apenas cerca de 40 espécies representam 90% da produção mundial de frutos do mar. Apenas 4% do total consistem em peixes como salmão, perca-gigante, garoupa e robalo. Todos os peixes selvagens colhidos no mundo poderiam ser obtidos de uma área do tamanho do Lago Michigan, ou da Bélgica e Holanda juntas, mostrou o estudo. 

"Quase todos os países costeiros têm um grande potencial de aquicultura marinha e podem atender à sua própria demanda doméstica de frutos do mar (...), normalmente usando apenas uma pequena fração do seu território oceânico", disseram os autores. 

Muitos dos países com maior potencial - entre eles, Indonésia, Índia e Quênia - também têm previsto experimentar crescimentos populacionais acentuados, observaram. As descobertas mostram que "esse espaço atualmente não é um fator limitante para a expansão da aquicultura oceânica", disse Max Troell, cientista do Stockholm Resilience Center, que não participou da pesquisa. 

Mas ainda há obstáculos para que a produção possa ser aumentada para atender a uma parcela significativa da demanda global, acrescentou o cientista em um comentário, também na Nature Ecology & Evolution. 

"Os grandes desafios que a expansão do setor de aquicultura a curto prazo enfrenta estão no desenvolvimento de alimentos sustentáveis %u200B%u200Be na melhor compreensão de como os sistemas de exploração agrícola dos oceanos de grande escala interagem com os ecossistemas e o bem-estar humano", escreveu. Os custos de produção e transporte também podem ser uma restrição, acrescentou.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.