Ingestão diária de nozes e amendoim reduz em 21% as complicações do coração

Dados estão em um estudo americano divulgado pela revista Journal of the American College of Cardiology, feito com mais de 200 mil pessoas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/11/2017 06:00 / atualizado em 28/11/2017 07:41

Valdo Virgo/CB/DA Press


Seguir uma dieta equilibrada é importante para manter a saúde do coração. E se ela englobar o consumo de nozes diversas e amendoim, pode se tornar ainda mais benéfica. Ao analisar dados de mais de 200 mil pessoas, pesquisadores dos Estados Unidos observaram que comer esses alimentos regularmente reduz as chances de surgimento de doença arterial coronariana e acidente vascular cerebral (AVC) em até 21%. Detalhes do trabalho foram divulgados recentemente na revista Journal of the American College of Cardiology.


Leia as últimas notícias de Ciência e Saúde

Os investigadores destacam que estudos haviam demonstrado que o consumo frequente de nozes específicas, como as castanhas, está associado à redução de fatores de risco cardiovascular, incluindo a dislipidemia — elevação de colesterol no sangue —, o diabetes tipo 2 e a síndrome metabólica. Mas a ingestão variada desses frutos e a combinação deles com o amendoim ainda não haviam sido avaliadas.

“Portanto, nosso objetivo principal foi olhar com mais atenção para o consumo conjunto de vários tipos de nozes, como amêndoas, avelãs, pistache etc. Incluímos também o amendoim, que, na verdade, é uma leguminosa, mas tem ácidos graxos e nutrientes semelhantes às nozes”, explica ao Correio Marta Guasch-Ferre, pesquisadora do Departamento de Nutrição na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, e uma das autoras do estudo.

Guasch-Ferre e colegas analisaram dados de 210 mil pessoas — homens e mulheres participantes de um grande projeto científico que tiveram dados diversos sobre saúde coletados ao longo de 32 anos por meio questionários aplicados a cada dois anos. No caso dessa pesquisa, foram usadas informações sobre histórico médico, estilo de vida e condição geral de saúde. No período estudado, os pesquisadores documentaram 14.300 casos de doenças cardiovasculares, incluindo 8.390 casos de doença doença arterial coronariana e 5.910 de AVC.

De uma forma geral, comer cinco porções semanais de nozes, amendoins e outros tipos de sementes foi vinculado a um risco 14% menor de surgimento de doenças cardiovasculares e 20% menor de se apresentar complicações fatais atribuídas ao endurecimento das artérias. Considerando apenas o consumo de nozes, observou-se que indivíduos que têm o hábito de comê-las ao menos uma vez por semana têm o risco 19% menor de sofrerem complicações cardíacas e 21% menor de ter doença arterial coronariana, quando comparados aos participantes que não comiam esse alimento. Já os participantes que comiam amendoim duas ou mais vezes por semana apresentaram o risco 13% menor de ter doenças cardiovasculares em geral e 15% menor, de doença arterial coronariana.

“As nozes são ricas em gorduras saudáveis (ácidos graxos insaturados), fibras, minerais, vitaminas e vários outros contatos bioativos, como antioxidantes, o que pode, em parte, explicar seus efeitos benéficos para a saúde cardiovascular, principalmente se consumidas em conjunto”, ressalta Guasch-Ferre. Os pesquisadores não encontraram evidências de associação entre o consumo total de nozes e o risco de AVC, mas ressaltam que, pelos dados, comer amendoim e nozes está inversamente associado ao risco de surgimento do derrame, ou seja, quanto maior a ingestão, menor as chances de surgimento do popular derrame.

Segundo a investigadora, alguns mecanismos que podem estar subjacentes às associações detectadas por ela e a equipe são vantagens conhecidas desses alimentos. “Sabemos que as nozes melhoram os lipídios no sangue, atenuam os processos inflamatórios e melhoram a tolerância à glicose e os traços relacionados ao diabetes. Todos esses são fatores de risco para doenças cardiovasculares”, lista.

Guasch-Ferre ressalta ainda que, apesar de as nozes serem um alimento denso em energia, não há evidências científicas que apoiem associações entre o consumo regular delas e o aumento de peso. “Na verdade, foram associadas com menor ganho de peso e menor risco de obesidade, provavelmente porque podem aumentar a saciedade e a plenitude, o que potencialmente pode reduzir o consumo de lanches insalubre”, complementa.

Segundo Fausto Stauffer, coordenador de Cardiologia do Santa Lúcia Norte, em Brasília, e diretor de pesquisa da Sociedade Brasileira de Cardiologia no DF (SBC-DF), a quantidade de nozes a ser consumida para uma dieta saudável varia de 28g a 30g. “Um mix de oleaginosas, consumidas pelo menos cinco vezes na semana”, detalha. “Apesar de ainda precisarmos saber mais sobre o tema, a Sociedade Americana de Cardiologia já recomenda o consumo dessas nozes desde 2013 como uma forma de prevenção de problemas cardíacos.”

O médico destaca que os resultados da pesquisa norte-americana reforçam os ganhos que podem ser proporcionados à saúde pelo consumo de nozes e amendoim. “A relação entre esses alimentos e doenças cardiovasculares nós já conhecíamos, mas esse trabalho utiliza três grandes avaliações para dar ainda mais validade a essa proteção. Vemos que a melhor maneira de consumir esses alimentos é como um mix, que englobe diversos tipos dessas oleaginosas. Esse estudo confirma o que pesquisas pequenas já defendiam e o que temos adotado também como recomendação dentro dos consultórios”, destaca

Outros hábitos

 
Para Stauffer, mais estudos sobre o tema são necessários, porque podem existir fatores, além do consumo de nozes e amendoim, que funcionem como protetivos. “Como analisamos pessoas que têm uma vida saudável, que se alimentam de forma nutritiva, pode ser que outros elementos desses hábitos estejam envolvidos nos resultados. Por isso é importante continuar tentando entender essa relação, esclarecer bem esse tema”, explica.

Apesar de não ter mostrado na pesquisa, Guasch-Ferre acredita que os maiores benefícios da ingestão de nozes e amendoim para a saúde cardiovascular são alcançados através de uma combinação de vários fatores ligados ao estilo de vida. “Por exemplo, seguir dietas com grandes quantidades de alimentos vegetais e redução de alimentos de origem animal e incluir a ingestão de diferentes tipos de nozes como uma substituição de outros alimentos pouco saudáveis, como a carne vermelha. Aliado a isso adotar a atividade física moderada, não fumar e ter um baixo consumo de álcool, dentre outros”, lista.

A investigadora ressalta que, por se tratar de um estudo observacional, baseado em respostas a questionários, a pesquisa não tinha a intenção de provar causas e efeitos entre os dois fatores. Ela e a equipe darão continuidade ao trabalho, dando foco, por exemplo, na análise genômica (ligada à expressão de genes) da relação entre esses alimentos e o efeito protetivo cardiovascular. “Queremos também investigar mais as diferenças entre a preparação das nozes e entender o efeito da manteiga de amendoim, que se mostra como um elemento positivo para saúde cardíaca”, adianta Guasch-Ferre.

Fatais

A doença cardíaca coronariana se caracteriza pelo acúmulo de placas nas artérias coronarianas, levando ao estreitamento delas e à consequente dificuldade de fluxo sanguíneo. Casos graves dessa complicação, também chamada de doença isquêmica do coração, podem levar ao infarto. O AVC, popularmente conhecido como derrame, se dá por bloqueio do fluxo sanguíneo ou hemorragia no tecido cerebral, sendo uma das principais causas de incapacidade no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.