Em 2017, exportações superam as importações em US$ 61 bilhões

Desde o início do ano, os embarques somaram US$ 193,4 bilhões, e os desembarques, US$ 132,4 bilhões

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/11/2017 06:00

A recuperação da economia neste ano vem tendo contribuição decisiva das exportações. A cada mês, a balança comercial brasileira registra saldos recordes. Dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic) mostram que, até a terceira semana de novembro, as exportações superaram as importações em US$ 61 bilhões, o maior volume da história para o período. Desde o início do ano, os embarques somaram US$ 193,4 bilhões, e os desembarques, US$ 132,4 bilhões.

O Mdic trabalha com previsão de superavit comercial neste ano entre US$ 65 bilhões e US$ 70 bilhões. Em 2016, o saldo da balança foi de US$ 47,7 bilhões, o maior desde o início da série da pasta, foi superado, neste ano, em setembro. O mercado financeiro aposta em superavit de US$ 65 bilhões em 2017, e o Banco Central, em US$ 61 bilhões.

O ritmo dos embarques mantém-se em alta, e a receita com as vendas externas é crescente, graças, principalmente, às commodities agrícolas, como soja, açúcar e milho. A média diária das exportações na terceira semana de novembro foi de US$ 925,2 milhões. O montante é próximo dos US$ 998 milhões que as micro e pequenas empresas exportaram em todo o ano de 2016, conforme dados levantados pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

O valor médio exportado, entre janeiro e novembro, cresceu 19,9% sobre a média diária de US$ 733,1 milhões em 2016, chegando a US$ 879,2 milhões. Os itens que mais contribuíram para a alta no mês de novembro foram as commodities e os produtos semimanufaturados, que avançaram 38,1% e 14,9% sobre o mesmo período do ano passado, respectivamente, conforme dados do Mdic. Na contramão, os embarques de produtos manufaturados registraram queda de 8%, de acordo com a pasta.

Commodities


Levantamento feito pela Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) constata que o saldo recorde da balança comercial vem sendo impulsionado pelo superavit comercial das commodities, que deverá somar US$ 85 bilhões até o fim do ano, registrando alta de 31% sobre o resultado positivo de US$ 64,8 bilhões registrado em 2016. Enquanto isso, o deficit da indústria voltará a crescer quase 14% sobre os US$ 43,7 bilhões computados no ano passado, alcançando US$ 49,7 bilhões.

Em 2016, a quantidade de empresas exportadoras cresceu perto de 10% sobre 2015, chegando a 22.204, conforme os dados do Mdic. A expectativa do órgão é de que esse número continue aumentando. “A retração da demanda interna fez com que o mercado externo fosse mais importante para as empresas. Agora, no comércio exterior, é necessário que se tenha uma manutenção, uma regularidade”, afirma o secretário de comércio exterior do Mdic, Abrão Miguel Árabe Neto.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.