"Nordeste tem pauta de exportação diversificada e precisa ser mais bem explorada", afirma especialista

%u201CO dever de casa tem que ser nosso. Temos que melhorar a nossa produtividade. Não tem escapatória e essa é a nossa resposta para competir com a China%u201D, complementa

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/11/2017 06:00

A expansão das exportações brasileiras depende de uma política pensada por um olhar regional dos estados, na avaliação da especialista em comércio exterior e professora da Fundação Getulio Vargas Lia Valls. “A participação do Centro-Oeste, por exemplo, está concentrada na Ásia. O Nordeste tem uma pauta de exportação relativamente mais diversificada e que precisa ser mais bem explorada”, afirma.

Ela explica que as pautas são muito concentradas em commodities na maioria dos estados. “São Paulo é mais diversificado, mas poucos estados têm entre seus principais produtos exportados itens manufaturados porque não existe uma política mais estruturada voltada para desenvolver vantagens comparativas”, destaca.

O uso de medidas protecionistas como forma de blindar o mercado interno da concorrência, especialmente em relação à China, é visto com cautela pela especialista. “O país não pode responder à concorrência colocando proteção. Isso não vai resolver o problema da baixa competitividade com os produtos chineses. Cada vez que o governo aumenta uma tarifa, eleva o custo de produção interna”, destaca. “O dever de casa tem que ser nosso. Temos que melhorar a nossa produtividade. Não tem escapatória e essa é a nossa resposta para competir com a China”, complementa.


Oportunidades

A professora da FGV Lia Valls considera importante que o Brasil cultive melhor a relação com a China e aproveite o interesse crescente do país asiático. “A China tem interesse de garantir suas posições no mercado internacional. Sabe o que quer, porque tem um programa estratégico. O Brasil também precisa ter um e que tenha bastante clareza”, aconselha. Ela vê na política de internacionalização das empresas chinesas uma janela de oportunidades, principalmente, para as pequenas e médias empresas brasileiras.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.