SIGA O
Correio Braziliense

Mudanças estimulam servidores a aderirem ao Funpresp

Nos últimos meses, funcionários da Advocacia-Geral da União (AGU), da Receita Federal, do Banco Central, da Câmara e do Senado procuraram a fundação

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 02/05/2017 15:24

Luis Nova/Esp CB/DA Press


O texto da reforma da Previdência, em discussão na Câmara dos Deputados, tem preocupado os servidores civis, mas as mudanças propostas pelo governo podem ser um estímulo à adesão ao sistema de previdência complementar no serviço público. Na avaliação do diretor presidente da Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo (Funpresp-Exe), Ricardo Pena, diante da possibilidade de o funcionário se aposentar com um benefício menor, o interesse por garantir a remuneração integral da ativa deve incentivar contribuições ao fundo. Ele ressaltou que uma nova janela foi aberta para a migração ao Funpresp-Exe dos servidores que estão no Regime Próprio (RPPS). Esse prazo vai até julho do ano que vem.

Com a política de investimento regulada pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc), o Funpresp-Exe é uma entidade fechada de natureza pública e conta com gestão compartilhada com os servidores, que participam dos órgãos decisórios. Não há cobrança de taxa de administração. Nos últimos meses, funcionários da Advocacia-Geral da União (AGU), da Receita Federal, do Banco Central, da Câmara e do Senado procuraram a fundação.

Alerta
Para Pena, há um alerta a ser feito sobre a proposta de reforma: a permissão para a transferência da gestão dos planos de regime fechado para o aberto. Os planos fechados de previdência são administrados por empresas e órgãos públicos em benefício dos servidores. Já os de previdência privada aberta são comercializados por bancos e seguradoras.

Na opinião do técnico, pode haver prejuízos nessa transferência. “Servidores participam das gestões, estão no comitê e na governança. Agora (com o que prevê a reforma), tudo isso vai para os bancos, que não prestam conta, não sentam para decidir. Normalmente, o dinheiro fica investido a curto prazo, a valores menores”, analisou. “Nosso modelo preserva a gestão e a rentabilidade. Cobra o custo uma vez, enquanto a previdência privada exige taxa de administração todo ano.”

Outra vantagem do Funpresp-Exe é ser um plano de contribuição definida, em que o servidor pode acompanhar os investimentos e tem conta individualizada. “Estamos introduzindo um mecanismo pelo qual o servidor poderá escolher o seu perfil de poupador. É uma medida para tirar interferências de indicações políticas”, disse.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.