Livros com temática gay ganham espaço no mercado editorial

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/05/2010 07:00 / atualizado em 12/05/2010 08:09

Yale Gontijo

Um novo tipo de protagonista é construído na literatura brasileira contemporânea. Saem os mocinhos salvadores de donzelas e entra um outro tipo de personagem: os que sentem atração por pessoas do mesmo sexo. O mercado editorial brasileiro responde a uma mudança pautada numa reivindicação social e mercadológica e publica romances que exaltam o amor homossexual. Braço do Grupo Editorial Summus, a Edições GLS é responsável pelo lançamento do título mais vendido da América Latina dedicado ao gênero, O terceiro travesseiro, de Nelson Luiz de Carvalho — 15 mil exemplares vendidos. “Quando me perguntam se sou escritor respondo que não me sinto à vontade com esse rótulo. Eu trabalhava numa editora quando, durante um almoço de fim de ano, ouvi a história de um filho de um colaborador nosso”, relembra Carvalho, sobre a origem de seu best-seller.

Flávio Bacellar/Divulgação
Reunindo relatos do rapaz identificado no livro como Marcus Dória, Nelson construiu um romance baseado em fatos reais, narrando a relação de dois adolescentes que se tornam amantes. Adaptada para o teatro por Estevam Lekist em 2005, a peça lotou sessões nas cidades de São Paulo, Campinas e Rio de Janeiro. “Foi o quarto espetáculo mais visto em São Paulo naquele ano. Muitos casais assistiam e depois levavam os avós. Com isso, foi um recorde de público da terceira idade. Um recorde também entre os nipônicos. Mas isso ninguém soube explicar”, comenta o autor. Carvalho faz uso de pincéis realistas. Sem pudor, descreve com riqueza de detalhes as inúmeras cenas de sexo protagonizadas pelos dois rapazes. “Tive medo do erótico, sim. Passei os originais para duas pessoas examinarem, o Inácio Loyola Brandão e Pedro Paulo Sena Madureira. Os dois gostaram muito do livro. Em momento algum, acharam que estava pornográfico. A editora também não censurou” explica Carvalho. O sucesso de O terceiro travesseiro rendeu mais uma história verídica sobre homossexualidade. Um e-mail de um leitor foi o ponto de partida de Apartamento 41. Nele, Carvalho narra a história de um homem de 35 anos, casado com uma mulher, que escolhe viver sua homossexualidade livremente. Mas nem só de histórias de meninos se constrói o mercado editorial gay brasileiro. Criada há dois anos pelo casal Laura Bacellar e Hannah Korich, a Editora Malagueta já lançou cinco livros de escritoras lésbicas assumidas. Além deste predicado, a única regra imposta pelo casal Malagueta à suas autoras é que todos os finais dos livros sejam felizes. A imaginação do time de escritoras da editora paulistana passeia desde uma história de amor proibido entre uma cigana e uma gerente de marketing em Os caminhos de Lumia, de Lara Orlow, até o primeiro romance rural lésbico da literatura brasileira Shangrilá, de Marina Porteclis. Porém, é mesmo o romance com contornos policiais entre uma garota de programa e uma estudante de educação física de Aquele dia junto ao mar, escrito pela carioca Karina Dias, o campeão de vendas da editora especializada no amor entre mulheres. “A nossa intenção é divulgar a cultura lésbica. As publicações são reflexo do que as meninas sentem necessidade, não temos o crivo de não publicar isso ou aquilo. Só não queremos publicar conteúdo preconceituoso. As mulheres têm necessidade de histórias de amor. É o que elas estão escrevendo”, explica Laura sobre o gostinho de água com açúcar e um certo caráter folhetinesco das publicações. Vem dela a garantia de não existir iniciativa igual em toda a América Latina. Laura ainda não entrega os números de desempenho de mercado da editora. “Ainda está muito no começo. Não dá para dizer”, resume a editora. Trechos dos livros:

DESEJO (Trecho Shangrilá) "Januária era uma moça vistosa, de pele morena avermelhada, boca farta e cabelos tão escuros quanto lisos. A descendência indígena era patente, assim como a voluptuosidade que chegava a desconcertar…. Ao olhar Januária e vê-la retribuir o olhar com igual interesse e mais: com uma intensidade tão peculiar quanto aparente, ela desistira de enganar-se. Definitivamente estava fadada a apaixonar-se por suas iguais, as mulheres." CONSUMAÇÃO (Trecho Aquele dia junto ao mar) — Por que pediu champanhe e morangos? Perguntei num impulso. — Por quê? São tão saborosos quanto você. — Como podia saber. Você nunca tinha provado — suspirei. — Como não? Sonhei com você todos os dias, desde o Reveillon — olhou com aqueles olhos cor de mel marejados. Perdi o ar, o fio da meada, como dizem. Não sabia mais como agir com ela. Duda havia alcançado minhas defesas. — Não vai tocar na bebida? Nos morangos? Gaguejei. —Não. Seu corpo já me embriagou o suficiente, e morango já não é mais a minha fruta preferida…Não depois de provar você. CONFLITO (Trecho Aquele dia junto ao mar) "Era como um vício. O cheiro de sua pele estava impregnado no meu pensamento, o toque de suas mãos ainda ardiam em mim, provocando desejo. Precisava me desvencilhar daquelas lembranças, pensar em outras coisas, entreter-me com os movimentos da coreografia, mas estava sendo insuportável conviver com aquela angústia dentro de mim." CONCILIAÇÃO (Trecho O terceiro travesseiro) "Minhas últimas palavras foram acompanhadas de muitas lágrimas. É difícil conceber a ideia de me separar dos meus pais. Comecei a chorar. Levantei da mesa me desculpando e ao mesmo tempo chorando muito. Meu pai se levantou chorando muito e me puxou pelo braço e nós nos abraçamos. Minha mãe se juntou a nós. Nessa hora nos três chorávamos muito." PASSEATA A 1ª Marcha Nacional contra a Homofobia organizada pela direção da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT) será hoje, a partir das 9h, com concentração na Esplanada dos Ministérios. As reivindicações incluem decisões judiciais favoráveis sobre união estável entre casais homoafetivos. Leia a íntegra da reportagem na versão impressa do Correio

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.