Startup lança aplicativo para adoção de animais em 61 cidades do Brasil

"Adote Pets" tem o objetivo de ajudar animais resgatados por ONGs a encontrarem um novo lar e já conta com mais de 700 bichos cadastrados

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/09/2014 10:43 / atualizado em 12/09/2014 11:15

Clarissa Damas /Estado de Minas


Segundo relatório da Associação Americana do Coração, ter um animal reduz o risco de doenças cardíacas, diminui o estresse, auxilia no tratamento da depressão, fortalece o sistema imunológico e promove o aumento da interação social e da concentração, entre outros benefícios. Também já foi provado que, para as crianças, traz calma e relaxamento. E já que os animais podem melhorar tanto a vida dos humanos, porque não fazer dessa relação uma troca e melhorar também a vida de um bichinho? Segundo estimativa da Organização Mundial de Saúde (OMS), somente no Brasil, há cerca de 30 milhões de animais abandonados à espera de um lar.

Pensando nisso, a startup mineira Aces Labs desenvolveu o aplicativo gratuito "Adote Pets", com o objetivo de conectar animais recolhidos por ONGs e pessoas que estejam à procura de um novo companheiro de quatro patas: "Sabíamos que as pessoas têm pouco acesso aos animais para adoção e decidimos tentar melhorar a forma como elas chegariam a eles. A partir daí começamos a pesquisar e vimos que a situação das ONGs era ainda mais crítica e que elas realmente precisavam de ajuda, pois com pouco dinheiro reuniam um número enorme de pets e encontravam dificuldades em mantê-los”, explica Davi Soares, CEO da Aces Labs.

Segundo o analista de sistema, o processo de desenvolvimento do aplicativo levou dois meses e foi feito integralmente com recursos próprios. "tiramos dinheiro do nosso bolso pois acreditamos na causa", completa.

Atualmente, o "Adote Pets" possui mais de 700 animais cadastrados e ONGs parceiras em 61 cidades de 19 estados do brasileiros. Apesar de a maior parte dos bichos ser composta por cães e gatos, também há pássaros e coelhos disponíveis para adoção. "Acreditamos que seja questão de tempo para aumentarmos o nosso alcance, pois a plataforma e simples e útil, então tem todo o potencial de se tornar o principal canal para a adoção de animais no país”, completa Soares.

A vice-presidente da ONG Cãopartilhe, Daniela Schuchter, tem grandes expectativas com relação ao aplicativo. "Fomos uma das primeiras organizações a fechar pareceria com o Adote Pets. Atualmente, o Facebook é nossa principal plataforma para adoção, e acredito que, como as pessoas estão o tempo todo com o celular nas mãos, conectadas, o app tem tudo para se tornar o maior canal de comunicação entre ONGs e adotantes, " explica. A Cãopartilhe tem sede em Belo Horizonte e não mantém abrigo para animais, já que foca esforços na conscientização das pessoas sobre os males do abandono. "Optamos por não manter abrigo próprio, mas recolhemos diversos animais nas ruas e os deixamos ou nas clínicas parceiras ou nas casas dos nossos voluntários até que eles sejam adotados. Nosso objetivo maior é acabar com o abandono e ,por isso, fazemos eventos em escolas e participamos de feiras de adoção, " conclui.

Como funciona o "Adote Pets"


Para utilizar o aplicativo, basta baixá-lo na app store (iPhone) ou na Play Store (smartphones com sistema Android), registrar e-mail ou entrar com o perfil das redes sociais. Ao terminar o registro, o usuário receberá um e-mail para validar a conta e logo depois receberá o token (senha de acesso) para cadastrar algum pet.

"Qualquer pessoa que abrace a causa animal pode usar a plataforma. Os interessados em ajudar podem compartilhar as informações sobre os pets disponibilizados para adoção nas redes sociais e utilizar os seus contatos para facilitar o acesso a quem pode estar querendo adotar um animal que ficou sem lar", completa o criador do aplicativo.

Como usar o aplicativos em iPhones



Como usar o aplicativos em smartphones com sistema Android

Tags:
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.