SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Eduardo Kobra finaliza painel sobre Anne Frank, em Amsterdã

Obra do brasileiro mostrará um dos mártires da luta antinazista

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/10/2016 07:35

Rebeca Oliveira /

Gontof Comunicação/Divulgação

"Deixe-me ser eu mesma". A frase da jovem Anne Frank, registrada no conhecido diário com suas memórias, ganhou vida no domingo (9/10), quando o muralista brasileiro Eduardo Kobra finalizou um mural de 240m² em NDSM-werf, na região norte de Amsterdã. Na obra, batizada com a sentença célebre, ele emprestou os famosos traços multicoloridos para dar contornos esperançosos a feição da menina judia alemã, morta aos 15 anos no campo de extermínio Bergen-Belsen.

Como boa parte dos projetos de Kobra, o retrato de Anne Frank confronta a intolerância. "O painel é um desdobramento de outros projetos que tenho relacionados ao tema da paz. Ele vem de uma linha de murais que fiz nos Estados Unidos, Brasil e Europa, valorizando essas personalidades e temas relacionados à questões de intolerância, preconceito e todo tipo de racismo", contou o artista.

Para colocar em prática a ideia antiga, o muralista enfrentou certa resistência. "O prédio, como boa parte das edificações de Amsterdã, é tombado como Patrimônio Histórico. Passamos por várias dificuldades. Tive que deixar claro o propósito, que era trazer uma imagem positiva, de esperança, para lembrar as pessoas de que crimes como aqueles nunca mais aconteçam", contou. Foram mais de 30 desenhos até chegar ao resultado que o deixou satisfeito.

Em uma época em que se discute a intolerância contra refugiados, o timing do painel não poderia ser mais adequado. "Tive um propósito completamente político. É importante pintar a Anne e alertar para que essas sementes de racismo e intolerância podem atingir outros níveis, levar a grandes tragédias globais. A ideia é tocar justamente nesse ponto da igualdade das pessoas, essencial dos dias de hoje. Vemos tantos refugiados em todo o mundo, e a imagem faz esse contraponto entre as épocas. Há pessoas hoje vivendo situações completamente complicadas, e fechamos nossos olhos", alerta.

A localização não foi escolhida ao acaso. A parede onde o retrato foi criado faz parte de um projeto do que deve vir a ser o maior museu de arte urbana do mundo. Nelson Mandela, Martin Luther King Malala Yousafzai, Dalai Lama, Mahatma Gandhi, Madre Teresa de Calcutá e John Lennon. De imensurável retórica social e política, as figuras pintadas pelo artista urbano tem como ponto convergente as ligações como o humanismo, tema pelo qual ele busca sensibilizar quem tem contato com sua obra.

O projeto, nas palavras de Kobra, foi um dos mais significativos da carreira de quase três décadas, que teve início em pichações de muros na periferia de São Paulo. Hoje, Eduardo é um dos mais importantes muralistas do planeta. Em agosto, o mural criado por ele no Boulevard Olímpico, uma representação de cinco etnias indígenas de cinco continentes (Oceania, Ásia, Europa, África e Américas) com 15m de altura e 170m de comprimento, foi reconhecido pelo Guinness Book como o maior grafite do mundo.


Quatro perguntas / Eduardo Kobra

Na arte urbana, quando muito se fala em subversão, você prefere o humanismo. Porquê?
Sou conectado a questões de preservação do meio ambiente e proteção dos animais. Faço vários murais sobre agressões do homem aos animais, contra touradas e rodeios, e pedindo o fim da retirada do habitat natural para o puro entretenimento humano. Esse tipo de pensamento pauta meu trabalho. A razão maior é conscientizar as pessoas para o lado positivo, pensado em um mundo melhor. Reflito sobre todas as práticas de violência e guerras que vivemos hoje, e me questiono de que forma posso contribuir para que o mundo seja diferente. Se uma pessoa for conscientizada pelo meu trabalho, já me considero satisfeito.

Você começou fazendo pichações, ainda objeto de polêmica, mesmo servindo de porta de entrada para muitos artistas urbanos. Porquê elas ainda são vistas com preconceito?
Não vejo o meu trabalho como evolução de pichador para grafite, e de grafite para mural. Eu fazia pichações, paguei um preço por isso, fui detido. Mas já desenhava paralelamente. Foi tranquilo começar a desenhar nos muros. A pichação continua sendo ilegal, da forma que era quando como surgiu. Mas cada um se utiliza da cidade da maneira como acha mais conveniente. Eu comecei a pensar sobre como poderia criar projetos de preservação do patrimônio histórico das cidades, eu tenho um trabalho como isso. Mas já fui pichador e compreendo as motivações de quem é.

Seu trabalho alcançou um patamar raro na arte de rua. Como conseguiu equilíbrio entre o começo underground e o sucesso no mainstream?
Simplesmente sendo sincero, honesto. Questionaram-me, na Holanda, que vários grupos poderiam estragar meu mural, e até me agredir fisicamente porque não aceitarem a mensagem que quis passar. Argumentei que quem pensa de forma ruim, vai continuar pensando. É interessante poder passar mensagens que transformam a vida das pessoas para melhor. É um posicionamento meu. Mas tenho uma posição, também, de respeito às ruas. Comecei no grafite, na pichação, hoje faço murais, mas meu trabalho carrega a influência do hip-hop, por exemplo.

Qual a importância de ter conhecido outros gêneros do hip-hop?
Se não tivesse transitado entre esses universos não teria a consciência de tudo que fiz para chegar até aqui. Fiz uma série em São Paulo sobre currículos de pessoas que estão desempregadas, crianças desaparecidas, moradores de rua, tenho uma série de projetos diferentes. É um privilégio ter o apoio das pessoas. No começo, as pessoas me chegaram até mim e me chamavam de vagabundo. Alguns dias atrás, ganhei uma medalha, uma honraria dada pela Polícia Militar de São Paulo. Há uma história de amor e ódio com meu trabalho, são 29 anos pintando ininterruptamente para que chegasse a esse entediamento maior por parte das cidades.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade