SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Escritoras que fazem sucesso entre o público infantojuvenil chegam aos HQs

Autoras como Paula Pimenta e a blogueira Bruna Vieira agora apostam em outra paixão de muitos jovens: os quadrinhos.

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
Nemo/Divulgação

Escrever para jovens é uma missão difícil, mas pode trazer também muitas recompensas. O público infantojuvenil é responsável por parte considerável do mercado e não tem vergonha de levantar a bandeira do que gosta. Autoras como Paula Pimenta e a blogueira Bruna Vieira fizeram sucesso conquistando exatamente esse público. As duas agora apostam em outra paixão de muitos jovens: os quadrinhos.

A escritora Paula Pimenta conta que ela mesma começou a ler por causa dos quadrinhos. As revistinhas da Turma da Mônica foram a primeira paixão e, a partir delas, Paula nunca mais quis parar de ler. Ela acredita que os quadrinhos, assim como a literatura produzida por elas, podem fazer esse papel de ajudar a criar hábitos de leitura.

A chegada nos quadrinhos se deu mais por uma vontade de continuar histórias que já tinha explorado no mundo da literatura. É o caso da série Fazendo meu filme. Depois de terminar os livros, Paula achava que já tinha feito tudo com a personagem no mundo das letras. O público, no entanto, queria mais.

“Quando eu terminei de escrever a série, meus leitores pediram (e ainda pedem) muito por uma continuação. Eu não quis fazer isso, pois acho que dei para a Fani (protagonista) o melhor final feliz que eu poderia imaginar e também gosto de deixar um pouco para a imaginação dos leitores”, conta.

A saída encontrada foi produzir quadrinhos com acontecimentos que se passavam durante o mesmo período da série, mas que não entraram nos livros. “Assim não seria bem uma continuação, mas os leitores poderiam matar a saudade dos personagens (e eu também)”, conta. “Os quadrinhos são baseados em capítulos novos que estou escrevendo especialmente para esse projeto. Então, eu já escrevo imaginando como os acontecimentos ficariam em quadrinhos”, conta.

Para ela, uma característica interessante dos quadrinhos é que os leitores podem ver, de fato, como ela imagina o cenário das histórias e os personagens. “Eu fiz um verdadeiro retrato falado para os desenhistas e aprovei cada uma das imagens até ficar exatamente como a minha imaginação”, explica.

Ela fala também sobre as diferenças entre as linguagens dos quadrinhos e da literatura. “A maior diferença é ter que explorar mais os diálogos, pois, nos livros, toda a descrição da cena é feita com palavras e, no caso dos quadrinhos. Estamos vendo o que está acontecendo, então, o que realmente importa são os pensamentos e conversas dos personagens.”

Fenômeno de vendas, Paula se consolidou na literatura escrevendo livros para jovens. Adorada entre os adolescentes, ela chegou a mais de 1 milhão de cópias vendidas, principalmente com as séries Fazendo meu filme e Minha vida fora de série.
 
>>Três perguntas / Paula Pimenta

Como é escrever para o público infantojuvenil?
É maravilhoso! Os adolescentes são muito intensos, quando gostam de algo, eles amam! Se não gostam, odeiam... Então, o retorno deles é muito sincero e imediato. Eles chegam às sessões de autógrafos abraçando os livros, me enchem de beijos, cartinhas, presentes... Eu realmente amo escrever para esse público!

Acredita que a literatura escrita por você pode ajudar na formação de leitores?
Sim, todos os dias recebo e-mails e recados nas redes sociais de leitores me contando que não gostavam de ler, mas que, ao terem contato com os meus livros, não conseguiram parar até terminar a leitura... e que agora leem de tudo! Os pais também me escrevem agradecendo, contando que eu fui a única que conseguiu tirar a filha da internet... Eu fico muito feliz de saber que estou incentivando esse gosto pela leitura desde cedo!

Os quadrinhos também podem auxiliar nisso?
Sim, toda forma de literatura é uma porta. Eu mesma comecei a ler por meio de revistinhas da Turma da Mônica. E, a partir delas, quis ler cada vez mais. Tenho leitoras bem novinhas que começaram lendo os quadrinhos da Fani e que agora me contam que já estão lendo todos os livros da série. 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade