SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Empreendedores levam cultura brasileira a feira internacional em Bogotá

Empresários terão oportunidade de apresentar produtos e serviços, trocar experiências e formar parcerias para futuros negócios

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 16/10/2016 17:19

Agência Brasil

Considerado o principal encontro regional voltado para mercados culturais e criativos da América do Sul, começa nesta segunda-feira (17/10), em Bogotá, a segunda edição do evento Mercado de Indústrias Culturais do Sul (Micsul). O Brasil participa do Micsul com 61 empresários de seis setores das indústrias culturais: audiovisual, livro e leitura, música, artes cênicas, videogames e design (incluindo a moda).

Os empreendedores foram selecionados pelo Ministério da Cultura e pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) para participar do Micsul. Na capital colombiana, eles terão oportunidade de apresentar seus produtos e serviços, trocar experiências e formar parcerias para futuros negócios. Antes do evento, os brasileiros participaram de oficinas de capacitação para obter o melhor resultado possível durante o evento.

Para o gerente de Exportação da Apex-Brasil, Christiano Braga, o evento é uma oportunidade importante para que os empreendedores brasileiros busquem parcerias, intercâmbios, troca de conhecimentos e informações. “Existe um desafio para que possamos integrar e dialogar mais com as produções desses países que são nossos vizinhos, têm características semelhantes e, portanto, podem apresentar oportunidades de parceria muito interessantes, sobretudo para empresas criativas pequenas e de médio porte”, disse Braga.

Ele lembra que o Brasil poderá firmar parcerias com diversos países, como a própria Colômbia, que vem crescendo muito neste setor, além de Argentina e Peru. “Existe um potencial enorme de parcerias em mercados que têm realidades parecidas. E, a partir deles, pode-se acessar outros mercados também”. Segundo Braga, o Brasil terá boa presença em todos os setores culturais previstos no evento, como moda, audiovisual, música e games. “No cinema, por exemplo, pode-se aproveitar muito essas parcerias na hora de produzir um filme. A mesma coisa acontece no setor de games, em que podem ser feitas coproduções com empresas desses países.”

O Micsul é uma iniciativa dos ministérios da Cultura de 10 países sul-americanos (Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Peru, Paraguai, Uruguai e Venezuela), destinada a micro e pequenos empreendedores. A expectativa é que o evento reúna 500 compradores e fornecedores da região e 60 compradores de países como Polônia, Estados Unidos, China, França e Reino Unido. No total, cerca de 3 mil pessoas são esperadas para o evento.

Além de estandes institucionais, o evento terá fóruns de discussão, rodadas de negócios, cafés setoriais, desfiles de moda, showcases de música e artes cênicas e sessões de pitching, nas quais serão feitas apresentações curtas com objetivo de conquistar o interesse do investidor ou cliente.

Atrações culturais

Além da participação nas rodadas de negócios, o Brasil vai levar para Bogotá apresentações de música, dança e circo. O elenco de atrações reúne o cantor pernambucano Siba, o duo Nina Wirtti e Luis Barcelos, a São Paulo Companhia de Dança, que se apresentarão dentro da agenda oficial, e o espetáculo #Passinho, do Rio de Janeiro, e o Circo Girassol, de Porto Alegre.

Os artistas participantes foram escolhidos por meio de uma curadoria envolvendo o Ministério da Cultura, a Fundação Nacional de Artes (Funarte) e a Apex-Brasil. A seleção observou critérios como linguagem formal e estética, contemporaneidade, presença de traços da cultura brasileira e capacidade de dialogar com o público dos outros países.

O Micsul vai até quinta-feira (20 ). A primeira edição do evento foi realizada em Mar del Plata, na Argentina, em 2014, e incluiu 100 projetos brasileiros. Em 2018, o Brasil sediará a terceira edição do evento.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade