SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Compositor e pianista, Antonio Carlos Bigonha faz show no Clube do Choro

Apresentação faz parte do projeto Tributo a Paulinho da Viola, no qual revisita trabalhos anteriores e mostra duas novas composições.

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 26/10/2016 07:01

Irlam Rocha Lima

A música sempre exerceu um grande fascínio sobre Antonio Carlos Bigonha. Procurador da República, há 13 anos esse mineiro-brasiliense, depois de participar de alguns festivais de música instrumental, passou a desenvolver paralelamente uma carreira artística, exibindo talento como compositor, pianista e produtor.


No fim de 2015, tornou-se bacharel em música pela Universidade de Brasília, ao defender a dissertação de mestrado sobre interpretação, em que deu ênfase à obra de Dori Caymmi. Com dois discos lançados, prepara-se para gravar o terceiro, cujo repertório é formado por temas inéditos — todos de sua autoria.

 

De hoje a sexta-feira, às 21h, Bigonha volta a ocupar o palco do Espaço Cultural do Choro com show pelo projeto Tributo a Paulinho da Viola, no qual revisita trabalhos anteriores e mostra duas novas composições. Em cena, ele tem a companhia de Paulo André Tavares (violão), Leaner Motta (bateria) e Bruno Medina (sax); e de dois convidados especiais, o cavaquinista Márcio Moreno e a cantora Myriam Eduardo.

 

“Nesse show, faço um apanhado dos meus dois primeiros discos, tocando temas como Alma de pedra, Azulejando, Urubupeba, Morena de maio, Carta ao Niemeyer, Anátema e Camiranga. Mas vou aproveitar para mostrar em primeira audição as inéditas, a canção de ninar Lullaby, de minha autoria; e o samba Que ironia, parceria com Clodo Ferreira”, anuncia. Há, ainda, Flor de pão, que compôs em parceria com Simone Guimarães. Aliás, o nome dessa canção foi usado como título do CD da cantora e compositora paulista, produzido por Bigonha.

 

Na homenagem a Paulinho da Viola, o patrono do projeto, o pianista vai interpretar Pecado capital, Coração leviano, Retiro e Foi um rio que passou em minha vida e Sinal Fechado. “Para essa última, criei um novo arranjo”, diz. Em dezembro, o instrumentista entra no estúdio Companhia dos Técnicos – já utilizado por artistas renomados da MPB, como Tom Jobim, Roberto Carlos, Paulinho da Viola e Zeca Pagodinho – em Copacabana, no Rio de Janeiro.

 

“O álbum vai ter 14 temas inéditos, e todos já estão definidos. Algumas são mais antigas, como Caminho dos búzios e Saudade de Brasília, compostas em 2001, que retirei do baú. A maioria é de uma produção recente, entre elas o fox trote Doce Manhatan, A vida de caixeiro viajante e Lullaby”, adianta. Nas gravações, Bigonha vai ser acompanhado por Leander Motta e Oswaldo Amorim.

 

SERVIÇO 

Antônio Carlos Bigonha

Show do pianista e compositor, acompanhado por trio, de hoje a sexta-feira, às 21h, no Espaço Cultural do Choro (Eixo Monumental). Ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia para estudante). Não recomendado para menores de 14 anos. Informações: 3224-0599.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade