SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Cantor pernambucano Zé Manoel se apresenta em Brasília

O artista chega com a turnê do álbum 'Canção e silêncio', lançado no ano passado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 31/10/2016 09:09 / atualizado em 31/10/2016 11:48

Irlam Rocha Lima

Bruno Vinelli/Divulgação
 
Uma das boas novidades da cena musical brasileira contemporânea, o pianista e compositor pernambucano Zé Manoel está em turnê com o show Canção e silêncio, nome também do segundo CD que lançou em 2015 pelo programa Natura Musical. Amanhã, às 21h, ele se apresenta no Espaço Cultural do Choro, pelo projeto Tributo a Paulinho da Viola.

No álbum, produzido por Carlos Eduardo Miranda, o músico tem a companhia do lendário baterista Tutty Moreno e do baixista Kassin, responsável também pela produção das bases. Com arranjos do maestro baiano Letieres Leie, do pernambucano Mateus Alves e do carioca Fábio Negroni, tem a participação de Juliano Holanda (guitarra), Pupilo (bateria) do percussionista Johann Brehmer e da cantora Isadora Melo.

“Considero esse novo disco um trabalho mais maduro, que ainda resulta das minhas influências, mas já com caraterísticas próprias. Quem ouvi-lo, vai identificar um som criado por mim, até porque todas as composições são autorais”, afirma Zé Manoel. Bem recebido pelo público e pela crítica, Canção e silêncio foi lançado também no Japão por um selo chamado Core Port, especializado em música latina e jazz.

Originário de Petrolina, conterrâneo de Geraldo Azevedo, o instrumentista chegou ao mercado inicialmente em 2012, com um CD que leva o seu nome. Logo, passou a integrar o cast da produtora francesa V.O Music com artistas renomados como Milton Nascimento, Spok Frevo orquestra, Speranza Spaldin, Angelique Kidjo; e, anteriormente, havia participado da coletânea Beauty of The Night, do produtor alemão Meeco, ao lado de Eloisia (Bouvele Vague), Joe Nataan, Freddy Cole e Jaques Morelembaum, entre outros.

Zé Manoel, que entre a infância e adolescência recebeu formação clássica e tinha Chopin como maior referência, conta que o interesse pela música popular brasileira foi despertado depois de ouvir as canções de Tom Jobim, Chico Buarque e Edu Lobo. “Viajei também pelas letras repletas de mares, de Dorival Caymmi e busquei me aprofundar na linguagem do jazz”, revela.

Em sua ainda curta trajetória na MPB, o artista teve duas músicas incluídas na trilha sonora da série Louco por elas, do diretor João Falcão. “Sou parceiro de Ana Carolina na canção Quer saber; e a música que dá nome ao meu segundo CD foi gravada por ela no disco Solo; e pelo cantor gaúcho Filipe Catto, no álbum Tomada. Isso foi importante, por me dar mais visibilidade”, ressalta.

Canção e silêncio traz 13 faixas. Delas, algumas são só de Zé Manoel, como Água doce, Volta pra casa e a que dá nome ao trabalho. Outras, ele compôs em parceria com o escritor gaúcho Sérgio Napp (O mar); Juliano Holanda, da Orquestra Contemporânea de Olinda (A maior ambição), e Mavi Pugliesi e Kassin (Habanera hobie cat acalanto). No show, ele vai tocar músicas dos dois discos, acompanhado por Roston Júnior (bateria), Israel Silva (baixo) e Lara Klaus (percussão); e tem como convidado o grupo brasiliense Os Filhos de Dona Maria.

Zé Manoel
Show do pianista e compositor pernambucano, acompanhado por trio, com a participação especial do grupo brasiliense Os Filhos de Dona Maria, amanhã, às 21h, pelo projeto Tributo a Paulinho da Viola. No Espaço Cultural do Choro (Eixo Monumental, ao ldo do Centro de Convenções Ulysses Guimarães). Ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia para estudantes. Não recomendado para menores de 14 anos. Informações: 3224-0599.
 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade