SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Luiz Gama é tema de peça teatral no Espaço Semente, no Gama

A montagem começou como uma leitura dramática no fim do ano passado e tomou forma após três apresentações no Rio de Janeiro

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/11/2016 07:33

Jean Yoshii/Divulgação

O objetivo da peça é justamente não deixar esse personagem cair no esquecimento, segundo Deo Garcez. “Ele foi a primeira voz na literatura negra a lutar pela liberdade, ele é patrono da liberdade, precursor da liberdade, pelos movimentos da consciência negra. O nosso objetivo é não deixar que as ideias e ideais de Luiz Gama sejam esquecidos”, diz.

A peça começou como uma leitura dramática no fim do ano passado e tomou forma após três apresentações no Rio de Janeiro. Chegando a Brasília pela primeira vez, no Festival Semente, Deo Garcez volta para a cidade onde se formou ator, na Faculdade Dulcina de Moraes.

Deo começou a escrever a história a partir da sugestão de um amigo. Ao chegar em casa, o ator e roteirista começou a pesquisa, principalmente nos estudos da professora Lígia Ferreira da Universidade Federal de São Paulo. “Ela já está escrevendo o terceiro livro sobre Luiz Gama. Na época nós trocamos correspondências e hoje nós somos amigos, foi por meio das pesquisas dela que consegui montar o roteiro e contar essa história”, explica.

A peça é uma biografia dramatizada, que aborda as ações do protagonista por meio de outros personagens e dos próprios textos escritos por Luiz Gama, passando pela história de vida até a luta pelos direitos dos negros escravizados.

Insurreições
Luiz Gama era filho de um português com Luiza Mahin, negra livre que participou de muitas insurreições de escravos. Quando a mãe teve de se exilar devido à luta por direitos, o menino Luiz foi vendido como escravo por seu pai para pagar dívidas de jogo. Aos 17 anos, Luiz conseguiu se alfabetizar e aos 18 fugiu para São Paulo.

Depois de trabalhar na Força Pública, tentou frequentar o curso de direito do Largo São Francisco — hoje faculdade de direito da USP, mas devido à rejeição de professores e estudantes, não se formou e apenas aassistiu às aulas como ouvinte.

Mesmo assim, Luiz seguiu a carreira jurídica e defendeu centenas de escravos, principalmente os que podiam pagar cartas de alforria ou que entraram no país após a proibição do tráfico negreiro. O advogado também ficou conhecido por seus poemas satíricos, publicados em vários jornais paulistas.

Luiz Gama recebeu o título honorífico de advogado da OAB em novembro do ano passado, justamente um mês antes da primeira apresentação da leitura dramática da peça, com roteiro de Deo Garcez e direção de Ricardo Torres.

Luiz Gama — Uma voz pela liberdade
Espaço semente (Setor Central do Gama). Hoje e amanhã, às 20h. Peça biográfica sobre o advogado Luiz Gama. Entrada Gratuita. Não recomendado para menores de 14 anos.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade