SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Disco 'Led Zeppelin IV' completa 45 anos e '2112', do Rush, chega aos 40

Os clássicos do rock chegam a mais de quatro décadas ainda com força para conquistar fãs

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/11/2016 07:00 / atualizado em 11/11/2016 18:12

Alexandre de Paula - Especial para o Correio /

Reprodução/Internet
 

O rock não envelhece mesmo. Prova disso é que 45 anos depois do lançamento de Led Zeppelin IV, os riffs de Jimmy Page, a bateria de John Bonham, o baixo de John Paul Jones e os vocais de Robert Plant permanecem vivos na lembrança de muita gente. O disco trazia canções imortalizadas, como Black Dog, Rock and roll, Going to California e a icônica Stairway to heaven.

Com o álbum, lançado em 1971, o Led Zeppelin alcançou a primeira posição nas paradas da Inglaterra e do Canadá, além da segunda nos Estados Unidos, na Austrália, na Dinamarca, na França, no Japão e na Itália. Nos EUA, o disco vendeu mais de 23 milhões de cópias e recebeu 23 discos de platina. Ao todo, Led Zeppelin IV vendeu cerca de 40 milhões de cópias no mundo todo.

Produzido pelo guitarrista Jimmy Page, o disco foi gravado utilizando o estúdio móvel dos Rolling Stones em uma mansão em East Hampshire (Inglaterra). O resultado, no entanto, ficou abaixo do esperado. Por isso, o disco todo teve que ser refeito, o que gerou atraso no lançamento do álbum.

 


Para lançar o long play, a banda teve uma proposta arriscada. Contrariando os pedidos da gravadora Atlantic, o Zeppelin decidiu que a capa não teria o nome da banda nem do álbum, apenas a imagem de um ancião em uma paisagem rural. A decisão foi sustentada porque Jimmy Page disse que não entregariam as gravações se o pedido não fosse realizado.

Em entrevista à revista Guitar Player, 20 anos depois do lançamento, o guitarrista revelou a razão da escolha. “Já éramos uma banda estabelecida, e a imprensa continuava afirmando que éramos apenas um hype. Foi por essa razão que o quarto disco saiu sem título. Era um protesto sem sentido, eu sei, mas nós queríamos provar que as pessoas não compravam os nossos discos pelo nome estampado na capa, e sim por causa da música.”

Page revelou também depois, em entrevistas, que a capa tinha uma mensagem ecológica. “A mudança que estava acontecendo. Aquele velho homem estava cercado de apartamentos demolidos. Era uma maneira de dizer que devemos cuidar do nosso planeta e não abusar dele”, disse.

Reprodução/Internet

Ousadia progressiva
É 1976. Depois de três discos, a gravadora Mercury Records insiste, em vão, que a banda canadense de rock progressivo Rush aposte, num novo álbum, em um som mais convencional, com canções mais curtas e radiofônicas. O trio ignora solenemente todos os conselhos, assim como o Led Zeppelin, e grava 2112, uma ópera espacial com uma faixa título de 20 minutos e sete partes. “Suicídio”, cravaram os executivos.

Quarenta anos depois, a história mostra que os executivos erraram. O álbum conceitual do trio foi um sucesso e os colocou, pela primeira vez, nas paradas da Billboard, além de render um, até então, inédito disco de ouro (depois de platina) nos Estados Unidos. Para comemorar e celebrar as quatro décadas do clássico, uma caixa com extenso material adicional da banda e do álbum vai chegar aos mercados.

2112 trazia no lado A uma história de ficção científica com 20 minutos. Inspirada no romance Anthem, da escritora Ayn Rand, a banda imaginou um futuro distópico. “2112 foi baseada, por coincidência, em uma das histórias de Ayn”, explicou o baterista da banda Neil Peart. “Percebi que, conforme a nossa ideia avançava sobre a redescoberta da música criativa no futuro, a história dela era exposta à descoberta da eletricidade num futuro totalitário.”

Com lançamento previsto para o início de dezembro, a caixa será disponibilizada com três discos, dois CDs e um DVD. Além de uma remasterização do álbum original feita no celebrado Abbey Road Studios, em Londres, o material traz um CD com registros ao vivo e inéditos, incluindo gravações feitas por Dave Grohl, do Foo Fighters, e pela banda Alice Chains.

 


O terceiro disco, que fecha o material, é um DVD que contém uma apresentação ao vivo do trio no Capitol Theatre, em Nova Jersey, ainda em 1976. Além do show, há também bastidores das gravações de Dave Ghrol e uma entrevista extensa com o guitarrista da banda, Alex Lifeson.

Fã confesso da banda, o próprio Dave Ghrol disse, durante a cerimônia que colocou os canadenses no Rock n’ Roll Hall of Fame em 2012, que a canção título era sua favorita. “É assustador tocar sua música favorita na frente da sua banda favorita. Uma coisa é sentar no porão da sua casa e tocar 2112; outra é estar na frente do Rush”, disse.

Ghrol é apenas mais um na lista dos músicos renomados que já se declararam admiradores do trio e do disco. Dream Theater, Metallica e Smashing Pumpkins são algumas das bandas que disseram que o álbum espacial do Rush os influenciou.

“2112 foi uma obra totalmente diferente do que estava sendo feito naquela época”, disse o baixista e vocalista da banda Geddy Lee, em entrevista à imprensa. “Diversos músicos formados já chegaram até mim várias vezes e disseram: ‘Esse álbum me inspirou. Algo nele é tão diferente…’”, completou.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade