SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Comédias, dramas brasileiros e documentários estão no cardápio das estreias

Extraídos de duras realidades nacionais ou tiradas da criatividade de roteiristas ou mesmo de tramas históricas, os filmes apresentam amplas perspectivas, em termos de gênero

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 16/03/2017 08:03 / atualizado em 16/03/2017 11:51

 
Junto com a verdadeira invasão promovida pelo aspirante a blockbuster A Bela e a Fera, outros nove filmes chegam aos cinema de Brasília. Confira: 
 
Universal / Divulgação
 
 
 

 
La vingança 
Fernando Fraiha tem a estreia como diretor, nesta comédia que reúne no elenco nomes como Leandra Leal e Daniel Furlan. Na trama, Caco (Rocha) é praticamente noivo, quando percebe a traição amorosa de Julia, capaz de trocá-lo, de pronto, pelo renomado chef Facundo. A vingança (em bom espanhol, venganza) chega pela decisão dos amigos de empreenderem uma jornada de transas aleatórias.

Era o hotel Cambridge 
Passados quase 13 anos desde o lançamento do longa Narradores de Javé, a cineasta Eliane Caffé volta a apostar no misto de dramaturgia e realidade. No Centro de São Paulo, com diferentes perspectivas de vida, grupos como a Frente da Luta por Moradia e pessoas refugiadas ocupam uma edificação abandonada. O filme foi construído a partir do embate de ideais desses indivíduos.

O filho de Joseph 
Dirigido por Eugène Green, é um relato dos desdobramentos de uma paternidade não-assumida. De um lado, o cínico editor de uma publicação parisiense interpretado por Mathieu Amalric; do outro, um rapaz em busca desse pai ausente, sufocado pelo egoísmo. Intermediando a relação, está o marginalizado personagem criado, nas telas, por Fabrizio Rongione (A garota desconhecida).


Tinha que ser ele? 
Diretor e roteirista de algumas comédias com Ben Stiller, John Hamburg conduz a trama desta fita estrelada por Bryan Cranston (Breaking bad) e James Franco. Pela ordem, eles interpretam um pai de família desgostoso com a escolha do novo namorado da filha, um cara descolado e sem muitas reservas  que cresceu profissionalmente por causa da internet.

Por um punhado de dólares — Os novos emigrados 
Leonardo Dourado comanda esta coprodução entre o Brasil e outros cinco países. Anualmente, uma massa de trabalhadores faz circular cerca de US$ 400 bilhões, ao adentrar universo com o prejuízo da ilegalidade. O diretor trata, em particular, da realidade de africanos, japoneses, alemães e brasileiros.

A jovem rainha 
Com uma plataforma de coprodução gigantesca, que envolveu cinco países, o drama histórico chega aos cinemas. Estrelado por Malin Buska, de Snabba Cash (2013), se detém na renúncia de um mito sueco: a rainha Cristina, que reinou em breve parte do século 17. Entre as figuras históricas identificáveis na fita estão o regente Oxenstierna e René Descartes. Com direção de Mika Kaurismäki, o longa tem atores como Hippolyte Girardot e Sarah Gadon. 
 


Também estreiam

 

 


Jonas e o circo sem lona 
Documentário sobre um menino de 13 anos que investe muita energia na produção e nos bastidores de um circo caseiro.

Pedro Osmar, pra liberdade que se conquista 
Retrato do contestador e politizado multiartista paraibano.


Eles só usam black-tie
Raro título sul-africano que trata dos conflitos entre jovens atormentados pelo fantasma do suicídio de uma conhecida.

 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.