Dad Squarisi lança livro na Feira do Livro

Em Sete pecados capitais da língua, jornalista do Correio dá dicas sobre o uso do português correto

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/06/2017 07:00 / atualizado em 16/06/2017 19:03

Gabriela Studart/Esp. CB/D.A Press

 

Dad Squarisi foi agraciada com o duplo talento da professora e da escritora. Ela ensina com a sabedoria de uma mestra e a leveza de uma cronista. Em princípio, a gramática é um tema mais árido do que uma paisagem lunar. Mas, com destreza, Dad consegue destrinchar e clarificar as matérias mais intrincadas e espinhosas, traduzindo-as para uma linguagem que qualquer mortal entende.



São essas qualidades que ela exercita com esmero em Sete pecados capitais da língua (Ed. Contexto), no qual trata dos erros cabeludos, daqueles que podem levar os desavisados a arderem nos círculos mais profundos do inferno de Dante. A crase, a pontuação, os numerais, a concordância, a regência, a conjugação verbal, os pronomes, as vírgulas,  e a redação oficial são alguns temas que Dad enfrenta.

Vejamos os pecados dos numerais. Um dos mais recorrentes é o zero à esquerda. Ele já levou muitos descuidados a cumprir penas nos reinos do demo: “Zero à esquerda? É nulidade”, ensina Dad. “Em datas, em vez de 05.04.2018, escreva 5.4.18. Viu? A informação não perde nada. A mesma economia vale para a escrita de numerais em geral: em vez de havia 02 pessoas na sala, fique com havia 2 pessoas na sala. Por quê? Você não diz havia zero duas pessoas na sala.”

O verbo haver é um dos que mais provocam escorregões. No pecado Ira, Dad explica: “Alguns atrevidos o tornam pessoal quando é impessoal. Em vez de houve distúrbios, dizem houveram distúrbios. Em lugar de havia casas, preferem haviam casas. Pagam caro. A fúria do verbo desmoraliza reputações e rouba pontos no vestibular, no concurso, no emprego. Valha-nos, Deus!”

No capítulo dos pecados do hífen, Dad consegue alcançar momentos primorosos de síntese e lirismo, como este, ao tratar de boa-nova: “Notícia feliz, novidade fortunosa? É boa-nova. Se uma borboleta branca entrar em casa, oba! É boa-nova. O plural? Boas-novas”.

Os pecados do latim não escapam do olho arguto de Dad. Habitat é um dos vocábulos que mais enganam os incautos: “Às vezes anda acompanhada do adjetivo natural. Mau. Muito mau. Trata-se de baita plenonasmo. Todo habitat é natural. O adjetivo é sobra. Xô!”

Ao fim da leitura, você se diverte e  aprende. E sai com a impressão de que não leu um livro de gramática, mas, sim, de crônicas. Não há método pedagógico mais eficiente. (SF)

EditoraContexto/Reproducao

Sete pecados da língua
Dad Squarisi/Ed. Contexto
Lançamento, amanhã, às 17h, na Feira do Livro, no Pátio Brasil,com aula-espetáculo de Dad Squarisi, que terá as participações especiais da contadora de histórias Therezamaria Campos, e da cantora Sandra Dualibi.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.