O Cena vem aí: veja destaques do maior festival de teatro do Centro-Oeste

Cena Contemporânea, maior festival de teatro do Centro-Oeste, fala de liberdade e mostra a potência das artes cênicas na capital brasileira

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 26/07/2017 06:00 / atualizado em 27/07/2017 19:20

Cena Contemporânea/Divulgação
 
Reconhecido como o maior festival de teatro da região e um dos maiores do país, o Cena Contemporânea chega à 18ª edição e leva às ruas e aos palcos uma reflexão sobre liberdade, tolerância e respeito às diferenças. Utilizando a arte como meio de diálogo e expansão de novas ideias, o festival abre suas portas reunindo espetáculos de quatro países — Espanha, França, Colômbia e África do Sul — além das produções brasileiras e do Distrito Federal.
Tendo se firmado como um importante espaço de criação e reflexo de nossa contemporaneidade nos palcos, o Cena traz 22 espetáculos para a capital. Entre eles, destaca-se a questão da liberdade, seja ela racial, de gênero ou política. O festival ocupa os principais teatros da cidade e se espalha entre o Plano Piloto e diferentes regiões do Distrito Federal, como Ceilândia, Taguatinga, Gama, Samambaia e Planaltina.
 
A variedade estética dos grupos é um dos pontos fortes do evento, que cria expectativa entre os espectadores brasilienses por sua tradição em levar diversidade e inovação aos palcos. O espaço torna-se um importante ponto de diálogo entre artistas, produtores e o público em toda a cidade.

Alaôr Rosa, curador do festival, lembra que um dos fatores que suscitaram a criação do festival era a vontade de impulsionar a classe artística brasiliense a se desenvolver em relação ao que se produzia de melhor no Brasil e no mundo.
 
“Além da exibição dos espetáculos, o festival tinha como objetivo, por meio das oficinas, palestras e debates, reciclar os profissionais da área e os estudantes que a cada ano entravam no mercado profissional”, declara. Outro ponto de grande importância era a possibilidade de proporcionar à população do DF a experiência de assistir a espetáculos prestigiados por todo o mundo e trabalhos que dificilmente chegariam à cidade sem o festival.

Transgressão


O curador destaca que, atualmente, o Cena Contemporânea é um dos poucos festivais do país que mantém na grade uma diversidade de linguagens que transgridem o teatro, como cinema, performance, música, literatura e artes plásticas, celebrando a subversão cultural e as tendências mais arrojadas das artes. Para ele, diante do retrocesso do mundo e do inacreditável processo que passamos pelo Brasil,  a arte é a única solução possível a curto prazo. “O teatro se torna alimento de argumentação e reflexão aos que se abrem a uma busca por uma sociedade mais inteligente e justa”.

Entre as novidades da programação está o retorno de Maikon K., artista detido pela Polícia Militar durante apresentações no Palco Giratório, em julho desse ano. O dançarino apresentará novamente a obra DNA de DAN e pretende chegar até o fim da performance. Além disso, ele participa de um projeto apelidado como Fotona, que reunirá artistas e convidados em uma foto-protesto de nu artístico para a edição do festival em 2017. O protesto fotográfico é organizado por Diego Ponce de Leon, que coordena as atividades formativas do Cena. O manifesto deve acontecer em 2 de setembro, como resultado de uma oficina voltada para o debate sobre a nudez na arte.

A ideia é que todos os participantes, maiores de 18 anos, se reúnam para se manifestar política, social e culturalmente. A ação conta com a direção do fotógrafo brasiliense Kazuo Okubo. Para ele, o brasileiro ainda é conservador em certos aspectos e não admite a nudez como algo natural. “Muita gente acha que é errado, existe uma demonialização ao redor do nu e aí está o problema. O nu é uma forma de manifesto e, nesse caso, utilizaremos como ferramenta de protesto, principalmente em relação aos problemas culturais em nosso país”, afirma. O objetivo é fazer um grande flashmob com a população e a expectativa é criar a maior foto de nu artístico da região.

Brasília


Entre as produções locais de destaque está Teto e Paz, continuação do projeto Meninos da Guerra, de Carlos Laredo. Criada com meninos que estavam anteriormente em situação de rua, o espetáculo mostra o forte potencial de transformação que o teatro proporciona. Para o diretor, o espetáculo é uma demonstração de que o fazer artístico, inerente ao ser humano, pode nos salvar do cotidiano. A ideia é mostrar que meninos e meninas com experiências de vidas trágicas podem converter em cenas suas histórias, revelando dimensões de existência heroica. “Estar em evidência e no protagonismo não é algo que lhes foi ofertado até então. Por isso, nos comovemos e nos afetamos diante de tanto talento e criatividade. A peça é um exercício da democracia”, afirma.

Com coordenação de Michele Milani, direção e curadoria de Alaôr Rosa, a programação se completa com grandes nomes da cena teatral brasiliense e nacional e montagens de encenadores renomados, como Aderbal Freire-Filho, Grace Passô e Georgette Fadel. Uma importante parceria para a formação de público desde a infância se concretiza na edição atual, com a presença do Festival internacional de teatro para a primeira infância, o Primeiro Olhar, sempre aos sábados e domingos. Entre os objetivos principais está a possibilidade de dialogar com o público e criar um espaço importante de reflexão e debate.

Além de movimentar a cena teatral local, o Cena se firma como um importante polo de novas produções, mantendo o fluxo de diálogo constante entre artistas e plateias. Caracterizando-se como uma oportunidade de intercâmbio entre artistas, o evento mostra a capacidade de diálogo artístico entre produções de diferentes regiões do país e promete atrair um público amplo e diverso em idade, pensamento, postura e convicção. Diante da possibilidade de interação presencial, é importante levantar questões importantes para o desenvolvimento humano e social dos indivíduos, aproveitando a relação direta com o público de maneira eficaz. Essa relação permite que cada espectador possa refletir e se posicionar de maneira adequada à sua própria contemporaneidade.

SERVIÇO 
Festival Cena Contemporânea
De 22 de agosto a 3 de setembro
Os ingressos custam R$20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada)

 
Confira a programação completa:


TERÇA, 22/8
21h – CAIXA Cultural - Black off – África do Sul

QUARTA, 23/8
10h – Praça da Bíblia - Estrutural – Poéticas Urbanas – DF
19h – Teatro SESC Garagem – Barro rojo – Espanha
20h – Teatro SESC Gama Paulo Gracindo - Velejando desertos remotos – DF
21h – CAIXA Cultural - Black off – África do Sul

QUINTA, 24/8
19h – Teatro Funarte Plínio Marcos – Tremor and more - França
19h – Teatro SESC Garagem – Barro rojo – Espanha
21h – CAIXA Cultural - Black off – África do Sul

SEXTA, 25/8
19h – Teatro SESC Garagem – Tsunami – DF
20h - Teatro SESC Gama Paulo Gracindo – Barro rojo – Espanha
20h – Teatro SESC Ceilândia Newton Rossi - Black off – África do Sul
20h30, 21h30 e 22h30 – Parque Olhos D’Água – O inominável – DF
21h – CAIXA Cultural – Dança e percussão - França

SÁBADO, 26/8
11h e 16h – Auditório 1 do Museu Nacional da República – Festival Primeiro Olhar
17h – Teatro Funarte Plínio Marcos – Simbad, o navegante – SP
17h – Teatro Lieta de Ló Planaltina – Sementes - DF
20h - Teatro SESC Gama Paulo Gracindo – Black off – África do Sul
20h – Teatro SESC Taguatinga Paulo Autran – Dança e percussão - França
20h – Teatro SESC Ceilândia Newton Rossi - Barro rojo – Espanha
20h30, 21h30 e 22h30 – Parque Olhos D’Água – O inominável – DF
21h – CAIXA Cultural – Teto e paz - DF

DOMINGO, 27/8
11h e 16h – Auditório 1 do Museu Nacional da República – Festival Primeiro Olhar
17h – Teatro Funarte Plínio Marcos – Simbad, o navegante – SP
17h – Espaço Imaginário Cultural Samambaia – Sementes - DF
20h – Teatro SESC Garagem – Maratona em Nova York – Colômbia
20h – CAIXA Cultural – Teto e paz - DF
20h – Teatro SESC Ceilândia Newton Rossi - Barro rojo – Espanha

SEGUNDA, 28/8
16h – Asa Norte – Carnaval de kitinete - DF
19h – Teatro SESC Garagem – Maratona em Nova York – Colômbia
20h – Teatro SESC Taguatinga Paulo Autran – Tsunami - DF
21h – CAIXA CULTURAL – O evangelho segundo Jesus, Rainha do Céu - SP
21h – Teatro Funarte Plínio Marcos – Duas gotas de lágrimas – DF
22h – Asa Norte – Carnaval de kitinete - DF

TERÇA, 29/8
16h – Asa Norte – Carnaval de kitinete - DF
19h e 21h – Teatro SESC Garagem – Afinação I – SP
20h – Teatro SESC Gama Paulo Gracindo – Teto e paz - DF
20h – Teatro SESC Taguatinga Paulo Autran – O evangelho segundo Jesus, Rainha do Céu - SP
20h – Teatro SESC Ceilândia Newton Rossi – Duas gotas de lágrimas - DF
22h – Asa Norte – Carnaval de kitinete - DF

QUARTA, 30/8
19h – Teatro Funarte Plínio Marcos - As Guerrilheiras - SP
20h – Teatro SESC Gama Paulo Gracindo – Teto e Paz - DF
20h – Teatro SESC Taguatinga Paulo Autran – Afinação I – SP
20h – Teatro SESC Ceilândia Newton Rossi – O evangelho segundo Jesus, Rainha do Céu - SP
21h – CAIXA Cultural – Há mais futuro que passado – SP

QUINTA, 31/8
19h – Teatro Funarte Plínio Marcos - As guerrilheiras - SP
20h – Teatro SESC Gama Paulo Gracindo – O evangelho segundo Jesus, Rainha do Céu - SP
20h – Teatro SESC Ceilândia Newton Rossi – Afinação I – SP
21h – CAIXA Cultural – Há mais futuro que passado – SP

SEXTA, 1/9
19h – Teatro Funarte Plínio Marcos – Velejando desertos remotos - DF
20h – Teatro SESC Taguatinga Paulo Autran – Vaga carne – MG
21h – Teatro SESC Garagem – Dissidente - BA

SÁBADO, 2/9
9h - Museu Nacional da República - Fotona (DF) 
11h e 16h – Auditório 1 do Museu Nacional da República – Festival Primeiro Olhar
16h - Museu Nacional da República - DNA de DAN (PR)
19h – Teatro Funarte Plínio Marcos – A paz perpétua - RJ
20h – Teatro SESC Ceilândia Newton Rossi – Vaga carne – MG
21h – Teatro SESC Garagem – Dissidente - BA
21h – CAIXA Cultural – A Moscou – Um palimpsesto - DF


DOMINGO, 3/9
11h e 16h – Auditório 1 do Museu Nacional da República – Festival Primeiro Olhar
19h e 21h – Teatro SESC Garagem – Vaga carne - MG
20h – Teatro Funarte Plínio Marcos – A paz perpétua - RJ
20h – CAIXA Cultural – A Moscou – Um palimpsesto - DF
 
 
 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.