Mostra com quadros do Masp atrai milhares de brasilienses ao CCBB

A exposição que reúne alguns dos quadros mais importantes do Museu de Arte de São Paulo, o Masp, atrai cerca de 3 mil pessoas por dia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 29/07/2017 07:30

Ed Alves/CB/D.A Press

 
Quando entrou na primeira sala da exposição Entre nós — A figura humana no acervo do Masp, o historiador e professor da Universidade Regional do Cariri, no Ceará, Darlan Reis, pensou primeiro na quantidade de brasileiros que não têm acesso à arte. Encantado com a primeira sala da exposição — na qual estão, lado a lado, obras de Pierre-Auguste Renoir, Pablo Picasso, Vincent Van Gogh, Amadeo Modigliani, Edgar Degas, Paul Gaugin e Paul Cézanne — queria que o Brasil inteiro pudesse ver como a pintura é capaz de despertar a sensibilidade. “Fiquei pensando em como seria se as pessoas tivessem mais acesso”, conta. “Eu, que moro no interior, percebi o quanto tudo isso está distante da população. Arte e cultura são importantes para a reflexão.”

A história social e política da sociedade encontra reflexos na arte, e o professor ficou surpreso com o que viu na segunda sala. A mostra reúne obras do acervo do Museu de Arte de São Paulo (Masp) em torno do tema corpo. A ideia é mostrar como as representações do corpo aparecem em várias escolas e momentos da produção artística mundial. E, na segunda sala, Darlan Reis encontrou o próprio tema de pesquisa: os trabalhadores. “Muito legal, esses quadros retratam o século 19, uma época em que eles começam a retratar os trabalhadores”, explica o historiador de 45 anos, que nunca havia estado diante de um quadro de Picasso ou de Renoir ao vivo.

E ver ao vivo é algo que o economista Guilherme Irffi aprendeu a saborear ao visitar museus no Brasil e no mundo. “Van Gogh é uma coisa que nunca achei que veria ao vivo, mas no Masp ,tem”, diz o economista. “Ver ao vivo é importante. A priori, você pensa que tudo isso está muito distante de você, mas é factível de ser visto. A sociedade brasileira não tem o hábito de frequentar museus, mas quando sai do Brasil, vai. Isso é uma coisa que tem que ensinar desde a escola.”
 
Ed Alves/CB/D.A Press
 


Viagem

Entre nós — A figura humana no acervo do Masp reúne 100 obras selecionadas pelos curadores Rodrigo Moura e Luciano Migliaccio dentre a coleção da instituição paulista. A ideia é provocar o diálogo entre diferentes nomes, épocas e escolas da história da arte por meio da maneira como abordaram a representação do corpo humano. É um tema amplo que permite uma verdadeira viagem por séculos de produção artística.

Em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), a exposição tem algumas obras de referência do acervo e está dividida em núcleos que vão desde a abordagem religiosa até a fotografia contemporânea, passando pelo modernismo, pelas escolas brasileiras, pelo retrato e pela representação do trabalho.
 

Estudante de mestrado em história, Luciana Biffi já conhecia uma parte da coleção, mas ficou surpresa com a abordagem. Exposições com clássicos europeus nem sempre propõem um diálogo com tema atemporal e Entre nós consegue trazer o passado para o mundo de hoje. “Esses modernos dialogam com o nosso tempo”, garante Luciana, ao observar a banhista de Pierre-Auguste Renoir. “Somos, ainda, muito modernos. As preocupações deles são parecidas com as de hoje, questões como o corpo, gênero. São questões que agora estamos aprofundando, mas que começam no século 20.”

Fã de Modigliani, a historiadora não se cansa de observar o retrato do italiano. “Querendo ou não, são artistas muito famosos, mas a grande questão é o contato com a obra, ter o corpo a corpo, ter uma perspectiva do tamanho, porque você pode olhar na tela do seu computador, mas, às vezes, não percebe o tamanho. E o contato com a obra desenvolve a sensibilidade”, acredita. É, também, o que acredita o servidor público Gabriel Borges, que ficou feliz de ver um Renoir ao vivo. “Sou mais fã do clássico. Van Gogh tinha uns probleminhas de visão. Picasso é mais voltado para o moderno, para a novidade, para o cubismo. Gosto mais desse clássico”, afirma, diante da temática da banhista produzida pelo mestre francês.


Importância

Para a professora Joelma Nascimento, que dá aulas de artes na rede pública de ensino, a exposição é uma oportunidade de ensinar mais aos alunos sobre arte brasileira, já que há um núcleo com pintores nacionais. “Gosto muito de Renoir, de Van Gogh e de Picasso, mas sinto que, no Brasil, tendemos a valorizar as coisas de fora e gosto de dar importância ao que é nosso”, diz a professora, que foi à mostra com a filha, Luiza, 13. “A exposição é fantástica, dificilmente você vai ver uma mostra que conjuga todos esses artistas.”

Ela cita especialmente o retrato O menino, de Arthur Timótheo da Costa, um óleo sobre tela de 1917 feito por um dos poucos artistas negros a ingressar na Escola Nacional de Belas Artes no final do século 19. O retrato também fisgou o olhar de Aldamir Scaramella. A pedagoga não conhecia o pintor. “É uma maravilha aquele menino”, disse. A exposição já passou pelos CCBBs do Rio de Janeiro e de Belo Horizonte, onde foi visto, respectivamente, por 244 mil e 159 mil pessoas. Em Brasília, a média de visitação tem sido de 3 mil pessoas por dia, com fluxos maiores entre o final da tarde e a noite.


Entre nós — A figura humana no acervo do Masp
Abertura hoje, às 19h30, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). Visitação até 18 de setembro, de terça a domingo, das 9h às 21h.



“Van Gogh é uma coisa que nunca achei que veria ao vivo” 
Guilherme Irffi, economista
 
 
 
 
 
 
 



Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.