Trio Parada Dura lança disco com essência da música caipira clássica

'Chalana, churrasco & viola' conta com a participações especiais de nomes como Marília Mendonça

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/08/2017 07:25

Ricardo Romero/Divulgação
Há 44 anos, surgiu no mundo da música sertaneja o Trio Parada Dura. O grupo foi responsável por popularizar o gênero mais caipira e de raiz no país, com faixas como As andorinhas, Telefone mudo e Fuscão preto, tocadas e cantadas até hoje nos shows de sertanejo. Da formação original, a banda mantém apenas Creone, que, atualmente, se junta a Parrerito e Xonadão no comando do trio.

Com a quinta formação, o grupo Trio Parada Dura lançou dois discos: Nossa estrada (2011) e o mais recente, Chalana, churrasco & viola. O álbum chega ao mercado com a intenção de manter a essência do trio, mas ganhando uma certa modernidade do sertanejo atual. "O Trio Parada Dura eternizou várias músicas nesse segmento. Quando assumi o grupo, entrei com a missão de trazer uma pegada atual, mas sem mexer na essência. Gravamos um modão mais moderno nesse álbum", define Xonadão.

O material possui 24 faixas no DVD e 14 no CD, todas com uma sonoridade mais caipira, característica que marcou a trajetória do trio. "Hoje, as coisas mudaram no sertanejo, vemos que o universitário está em todas as mídias, assim como o sertanejo de raiz já esteve. Você vê que o público do universitário adora quando tocam as músicas de raiz. A gente vê esse momento com muita alegria, afinal de contas, o sertanejo não morreu", afirma o vocalista.

Inovação

A principal inovação do novo material do trio foi a escolha do cenário. A produção foi gravada na Lagoa de Furnas, em Minas Gerais, onde os cantores embarcaram em uma chalana, por isso o nome do álbum, Chalana, churrasco & viola. "A ideia surgiu do produtor do DVD (Leandro Porto). Olhamos e gostamos do cenário", conta Xonadão.

Já o ar moderno na sonoridade veio com as participações especiais. A primeira delas é da compositora de maior sucesso do sertanejo atual, a cantora Marília Mendonça. A artista gravou com o Trio Parada Dura a faixa Aceita que dói menos. O grupo ainda convidou a dupla Zé Neto & Cristiano, com quem gravou Vivendo aqui no mato, de autoria da dupla, e o cantor Eduardo Costa, que participa da canção Último adeus.

"A escolha por Zé Neto e Cristiano teve a ver com o fato da gente cantar Seu polícia (música da dupla) em nossos shows e ter sido um estouro para o público. Eles ficaram sabendo, se emocionaram e gravaram um vídeo nos agradecendo. A partir daí surgiu essa amizade e eles escreveram uma música inédita para a gente", lembra Xonadão.

SERVIÇO
Chalana, churrasco & viola
De Trio Parada Dura. Universal Music, 24 faixas (DVD) e 14 (CD). Preço médio: R$ 29,90.



Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.