Canais do YouTube fazem sucesso comentando seriados, filmes e games

Os canais criados para comentar e dialogar sobre filmes, games e séries se espalham pelo mundo todo e reúnem milhões de inscritos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/08/2017 07:28 / atualizado em 01/08/2017 16:31

Arquivo Pessoal
 
Se antes se falava em sociedade do espetáculo, na expressão cunhada por Guy Debord nos anos 1960, quando a mídia eram a televisão e o rádio, e o indivíduo se limitava a ter um papel passivo de observador, a internet permitiu a interação e uma atitude ativa e participante de seus espectadores. É nesse contexto que surgem os vídeos de reações e análises, febre no YouTube nos mais variados países. O espectador pode, a partir dessa interação, observar, expressar suas opiniões e dialogar com a opinião do outro. Os canais são criados para tratar de temas diversos e dialogar com nichos específicos, debatendo filmes, jogos, séries etc.

Lúcio Teles é professor e doutor em informática na educação pela Universidade de Toronto e destaca que, no contexto desses canais, existe uma informação avaliativa e interativa que passa a ser compartilhada, criando novas perspectivas de dividir experiências. “Alguns desses vídeos chegam a ser vistos por 70 milhões de pessoas. O sucesso se deve a vários fatores: a existência recente de uma nova cultura virtual, em que os jovens são muito ativos e participantes; a recente facilidade de acesso à internet e uma crescente dependência psicológica da interatividade virtual”, afirma.

O professor lembra que esses vídeos podem ter aspectos positivos, como a promoção de temas de caráter social, motivando reações coletivas. Entre os pontos negativos está a disseminação de uma cultura que promove temas banais e a superficialidade. “Isso vai depender do internauta que criou o canal e do tipo de interação que ele atrai. O ser humano tem esta necessidade básica de comunicação e o ‘vídeo reação’ facilita o preenchimento desta necessidade”, destaca Teles. Existe também uma situação de empatia que se estabelece entre o produtor de conteúdo e seus internautas.

Um dos brasileiros mais reconhecidos no ramo é o rapper Guilherme Treeze, criador do canal Falatuzetrê, que acumula mais de 340 mil inscritos. Considerado um forte influenciador digital entre os fãs de rap e hip-hop, Zetrê, como também é conhecido, acredita que os espectadores sentem como se assistissem e comentassem os vídeos na companhia de um amigo. Ele faz rap há 10 anos e acredita que o fato de ter na bagagem um extenso conhecimento musical seja um ponto forte para o reconhecimento do canal. “Eu falo da técnica que usam para criar as músicas, estudo a cena atual, então, passo confiança para os seguidores. Acredito que o canal tenha também a função de apresentar sons novos para as pessoas”, afirma o músico.

Adepto dos vídeos de análises e também das reacts, Zetrê faz questão de filmar no instante em que escuta pela primeira vez uma música ou assiste a um novo clipe, para manter a naturalidade. O canal dialoga com os internautas em um tom bem-humorado e colabora na validação musical de lançamentos do gênero entre os fãs internautas.

No embalo 
 
 
Miriam Castro, 24, é uma das youtubers que acompanha o sucesso da série Game of thrones, atualmente na 7ª temporada. Ela comenta os episódios da atração no canal Mikannn, com mais de 255 mil seguidores e alterna com o espaço da sócia Carol Moreira, com mais de 403 mil inscritos no canal que leva seu nome. A parceria da dupla começou em maio de 2015 e deu tão certo que se transformou no principal emprego de Miriam, que antes trabalhava como jornalista.

“As pessoas têm muita coisa para consumir atualmente, então, buscam uma opinião que valide aquilo que elas pretendem assistir, assim não perdem tempo com algo ruim”, destaca. Em seu canal, Miriam faz questão de trabalhar com opiniões mais profundas a respeito dos temas e acredita que os vídeos podem influenciar na opinião dos espectadores.

Enquanto isso, em Chicago, nos Estados Unidos, o youtuber Sean Michael produz conteúdo inspirado na série de maneira diferente. O canal Reactions at Burlington bar mostra a reação de diversos espectadores que assistem juntos aos episódios no bar em que trabalha como barman. Depois de ler os livros, Sean já esperava que as reações a determinados episódios fossem ser divertidas e teve a ideia de filmar para compartilhar na internet. “Eu recebi uma quantidade louca de visualizações. Acredito que hoje exista uma sensação de comunidade de quem assiste à série no bar. Os vídeos são muito orgânicos e reais, por isso fazem sucesso”, afirma o youtuber. Sean costuma fechar o bar às 2h e, a partir desse horário, começa a trabalhar nos vídeos, sincronizando os ângulos e escolhendo as melhores reações.

Os assuntos preferidos para os vídeos de reações são os filmes, séries e jogos. Dentro do universo, destaca-se também Gustavo Cunha com o canal Jujuba Atômica, ultrapassando 207 mil inscritos que assistem seus debates. Para ele, essa é uma forma de compartilhar experiências, como acontece, por exemplo, em clubes de leituras, quando os interessados se juntam para debater os assuntos e impressões acerca de uma história.

Cultura pop
A ideia é colocar informações diferentes nos vídeos e relacionar as criações atuais com aquilo que já foi feito por grandes artistas da história. “Assim, as pessoas podem saber de onde veio tudo aquilo, quais foram as histórias que influenciaram a criação das novas. Tento também sempre indicar livros relacionados ao tema para os inscritos”, declara. Gustavo acredita que compartilhar conhecimento é algo libertador.
 

O canal Holandês Voador, criado por Gustavo Brasil e Jônathan Lopes, ambos com 27 anos, trabalha na temática da cultura pop, com cinema e programas de tevê. Gustavo acredita que o canal aproxima criadores do público e é uma forma de quebrar a barreira da tela e criar maior identificação com quem assiste determinada obra. “Sabe aquela satisfação em mostrar algo bom a um amigo e ele gostar também? Acreditamos que eles sentem isso”, declara. Para ele, um vídeo de react tem que ser o mais natural possível, sem enganar o espectador.

Atualmente, o canal se transformou em seu principal meio de trabalho, como acontece para muitos youtubers. Com o crescimento constante dos vídeos de reações e análises é visível a necessidade e vontade de participação do público da internet, que busca um conteúdo interativo e com possibilidade de troca de ideias e sensações. A experiência do espectador deixa de ser apenas o da inércia de quem recebe um produto e se transforma na criação de um conteúdo que gere diálogo e criação de senso de pertencimento entre os participantes.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.