Homem hétero, branco e malhado ainda é norma em Hollywood, conclui pesquisa

Estudo de universidade norte-americana apontou falha na representatividade de mulheres, negros, pessoas LGBT e outras minoras no cinema

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/08/2017 08:55

Marvel/Divulgação

Hollywood ainda falha na representação de mulheres, negros, pessoas LGBT e outras minoras tanto em suas produções cinematográficas quanto por trás das câmeras, nas equipes de produção. Foi o que apontou um relatório da Media, Diversity & Social Change Initiative (MDSC), projeto da Escolha Annenberg de Comunicação e Jornalismo da Universidade do Sul da Califórnia (USC), que analisou 900 filmes de grande bilheteria lançados entre 2007 e 2016 - com exceção do ano de 2011, que foi estudado em outra pesquisa. 

O estudo constatou que houve pouca ou nenhuma mudança na representatividade desses grupos minoritários ao longo dos anos, com permanência de "homens hétero, brancos e malhados como norma na telona". De 100 filmes lançados em 2016, a pesquisa descobriu que apenas 31,4% dos personagens com falas eram mulheres, enquanto pessoas que não são brancas representavam 29%. Dessas, 13,6% eram negras e 5,7%, asiáticas. O grupo de hispânicos foi o que teve piores números, com 3,1%. Jogando luz sobre gênero e diversidade sexual, 1,1% de personagens com fala eram gays, lésbicas ou transexuais. Apenas um desses filmes tinha um protagonista LGBT: o vencedor do Oscar Moonlight. 

Das produções analisadas, quase a metade não tinha nenhuma mulher negra como personagem com falas e cerca de dois terços repetia o problema com mulheres asiáticas ou hispânicas. Quanto a oportunidades de trabalho para mulheres e outros grupos minoritários em Hollywood, a análise viu uma questão já amplamente debatida na indústria: só 4,2% dos filmes de 2016 tinham diretoras - e nenhuma delas era negra. No total, foram contabilizados 1,438 mil criadores de conteúdo, entre escritores, diretores e produtores, dos quais 17,8% eram mulheres. 

"Esses são problemas contínuos e sistemáticos. É impossível olhar para esses dados e não concluir que grande parte da militância envolvendo representatividade midiática com o passar dos anos não foi bem sucedida. Essas descobertas revelam que o apagamento de diferentes grupos é aceitável para alguns - não precisamos analisar algo mais que um filme para enxergar uma visão da América que não existe mais. Os filmes revelam um retrato angustiante da realidade", avaliou a professora Stacy L Smith, que coordenou a pesquisa, em entrevista ao jornal britânico The guardian. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.