Mostra na bienal reúne 70 capas premiadas do Correio Braziliense

Os aniversários da capital federal renderam grandes capas ao Correio, muitas delas premiadas ao longo das últimas décadas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 04/08/2017 12:16 / atualizado em 04/08/2017 12:20

Reprodução
 
O uso do design gráfico aliado à informação jornalística tornou o Correio Braziliense um dos jornais mais reconhecidos nacional e internacionalmente. Entre prêmios e destaques, cada dia é um desafio novo para sacramentar a história com uma nova capa. A mostra Notícias em cartaz, um dos eventos paralelos da 12ª Bienal Brasileira de Design Gráfico, traz 70 capas que foram destaques do Correio Braziliense ao longo dos últimos anos.

São projetos reconhecidos como de excelência por instituições internacionais, caso do norte-americano NewsMuseum, entidade que acompanha diariamente as publicações de jornais e que atestou a qualidade técnica do trabalho de design gráfico realizado pelo jornal. Afinal, a notícia não está apenas nas palavras. No Correio, o contexto do acontecimento também significa muito. Os artistas gráficos que diagramam as capas são responsáveis também por expor a informação.

Capas premiadas

Os mitos também morrem, publicada em 3 de julho de 2004 e que trazia estampada a notícia da morte do ator norte-americano Marlon Brando, ganhou o prêmio Society for News Design — Best of Newspaper Design na categoria Excelência Gráfica — Melhor Design de Jornais. O mesmo prêmio foi concedido no ano anterior para uma capa em comemoração ao aniversário de 43 anos da capital. Publicada em 21 de abril de 2003, Eu, tu, ele, nós amamos Brasília homenageava a cidade em seus 43 anos.

Os aniversários da capital federal renderam grandes capas ao Correio, muitas delas premiadas ao longo das últimas décadas. Em abril de 2011, a ousadia e a vontade de inovação fez a equipe do jornal investir em um projeto diferente: para o aniversário de Brasília, celebrado naquele ano em meio a escândalos de corrupção, foram criadas duas capas. Eles nos envergonham... retratou a prisão da promotora Deborah Guerner com o marido, Jorge Guerner, enquanto Ela nos orgulha trouxe a comemoração dos 51 anos da capital federal. O resultado foi o Prêmio Esso de jornalismo na categoria Especial de Primeira Página / Regional Centro-Oeste.

Em Adeus, Chico, a notícia da morte do humorista Chico Anysio foi apresentada de forma simples e comovente. Bordões como “afe, tô morta” e “e o salário, ó!”, criados pelo artista, ganharam a manchete naquele 23 de março de 2012. Vencedora do Prêmio Esso de jornalismo na categoria especial de primeira página, a capa gerou repercussão nacional.
Reprodução


Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.