Estúdio quer produzir novos filmes de 'Crepúsculo' e 'Jogos vorazes'

Empresário da Lionsgate afirmou que só depende da aprovação das autoras Stephenie Meyer e Suzanne Collins

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/08/2017 15:03

Summit e Lionsgate/Reprodução
 
O estúdio Lionsgate está interessado em produzir continuações para as franquias Crepúsculo e Jogos vorazes, ambas sucesso em bilheteria. De acordo com o site Variety, o CEO da empresa, Jon Feltheimer, afirmou a acionistas de Wall Street nesta terça-feira (8/8) em reunião, que só dependeria do interesse das escritoras Stephenie Meyer, responsável pela saga vampiresca, e Suzanne Collins, autora da ficção científica. "Há muito mais histórias para serem contadas e estamos prontos para realizá-las quando nossos criadores estiverem prontos para contá-las", afirmou ele. 

Lançado em 2008, o filme Crepúsculo foi o primeiro da franquia homônima, que contou com as continuações Lua nova, Eclipse e Amanhecer, partes 1 e 2, com cenas gravadas no Brasil. As produções foram baseadas nos livros de Meyer, lançados a partir de 2005. A trama aborda o romance entre a humana Isabella Swan (Kristen Stewart) e o vampiro Edward Cullen (Robert Pattinson), que se conhecem no ensino médio. Apenas o capítulo final da história, de 2012, arrecadou um total de US$ 340,9 milhões em todo o mundo. 

A distopia futurística baseada nos livros homônimos de Collins estreou o primeiro filme nos cinemas em 2012 e se encerrou em 2015. Foram lançados os longas Jogos vorazes, Em chamas e A esperança, que também se dividiu em duas partes distintas, lançadas em anos diferentes. Com Jennifer Lawrence, Josh Hutcherson e Liam Hemsworth no elenco, o enredo imaginava um futuro pós-guerra em que, todos os anos, os jovens dos chamados distritos precisam lutar pela vida em uma competição transmitida em rede nacional. O segundo e o terceiro filme da franquia figuram na lista dos 65 de maior bilheteria do mundo. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.