Obras de Betty Bettiol, Darlan Rosa e Francisco Brennand serão entregues

Segundo a Lei 2.365 é obrigatória a presença de obras de arte em edifícios ou praças de mais de mil metros quadrados

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 26/08/2017 07:30

Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press

A Lei 2.365 torna obrigatória a presença de obras de arte em todo edifício ou praça com área igual ou superior a mil metros quadrados. Aprovada em 1999, a legislação possibilita e democratiza intervenções artísticas. Há casos em que o próprio artista se transforma em figura central de empreendimentos imobiliários.Três prédios residenciais com obras de Betty Bettiol, Darlan Rosa e Francisco Brennand serão entregues aos brasilienses nas próximas semanas.

O artista plástico Darlan Rosa recebeu a missão de criar uma obra para marcar a trajetória do jornalista e escritor Carlos Chagas. Localizado na 208 Norte, o prédio, que leva o nome de Chagas, abrigará uma escultura de 1,5m de diâmetro feita pelo artista. “Estou muito satisfeito por ter uma obra no prédio homenageando a Carlos Chagas. Éramos grandes amigos”, afirma, emocionado, Darlan Rosa.

A relação da escultura com a arquitetura do prédio se dá pela forma geométrica. “O trabalho artístico explora as possibilidades do cubo — estrutura presente nas construções em geral”. Apesar de ter como marca registrada sempre o uso de duas curvas, Darlan afirma que é preciso se reinventar a todo instante. “A repetição perde o sentido. Eu arrisco muito. É preciso alcançar novos voos”. O edifício será entregue hoje aos proprietários.

Duplamente agraciada, Betty Bettiol dá nome ao prédio da 211 Norte — será inaugurado em 16 de setembro e possui um painel nomeado pela artista como Beta. “A ideia foi de me homenagear como pessoa e como artista plástica. É uma dupla responsabilidade: meu legado e minha arte expostos”, comemora Betty.



As faixas da obra da artista se confundem com as diferentes tonalidades de cores. Ao ver o resultado do painel colado na parede pela primeira vez, Betty não esconde o entusiasmo e fica surpresa com o resultado. “A minha obra tem tudo a ver com Brasília. A cor verde representa os nossos gramados; o azul, o céu esplendor; e o branco simboliza os monumentos característicos”, esclarece a artista.

Aos 76 anos, Betty Bettiol assume que a idade contribui para um novo estilo de arte. “Enxergo a vida mais colorida e retrato isso nas minhas obras. Tenho mais audácia e coragem”, conta a artista, e ainda promete: “Ainda tem muita novidade para vir”.

O residencial que completa as inaugurações leva nome e obra do icônico Francisco Brennand, localizado na 115 Norte. O artista desenvolveu, no pilotis do prédio, um painel de cerâmica que chega a 2,5 metros. Brennand é agraciado pelos companheiros como um dos maiores artistas brasileiros. “O trabalho do Brennand é magnífico. Um dos ícones brasileiros”, testifica Darlan Rosa.

 Paulo Octávio é um dos responsáveis por promover a ligação entre arte plástica e figuras emblemáticas da capital. “Unifico as obras aos prédios antes mesmo de ser lei. Faço isso para homenagear os clientes e para valorizar os artistas”. As construções carregam nomes como Athos Bulcão, Burle Marx, Galeno, Ruy Ohtake e Tomie Ohtake.

*Estagiário sob supervisão de José Carlos Vieira



Residencial Carlos Chagas
SQN 208, Bloco K, Asa Norte. Apartamentos de 4 quartos, 126 a 129 m² Duplex de 4 quartos, 261 a 269 m².

Residencial Betty Bettiol
SQN 211, Bloco I, Asa Norte. Apartamentos de 2 quartos (73 a 75 m²) e de 3 quartos (96 a 98 m²). Cobertura Duplex 2 quartos (157 a 161 m²), 3 quartos (201 a 205 m²).

Residencial Francisco Brennand
SQN 115, Bloco A, Asa Norte. Apartamentos de 4 suítes (219 a 239 m²). Cobertura duplex 4 suítes (438 a 478 m²).



Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.