Opinião: Mais, Fernanda! Menos, Sílvio!

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/08/2017 08:27 / atualizado em 27/08/2017 12:57

Globo/João Miguel Júnior

Sílvio Santos é dono de seu canal de TV, de sua plateia, de sua audiência. É dono de um carisma impressionante, de uma capacidade de comunicação extraordinária e do amor de milhões e milhões de telespectadores, inclusive desta que vos fala. Também é dono do respeito do público e da classe artística. Mas Sílvio Santos não é dono da verdade. Sobre a polêmica entre ele e a apresentadora Fernanda Lima, ele não tem razão.

Ele não tem razão porque ninguém tem razão quando ajuda a reproduzir um discurso opressor. Mesmo que não seja consciente disso. Mesmo que tenha feito isso tantas vezes que normatizou uma conduta. Mesmo que seja o Sílvio Santos. O apresentador age e interage com o público como sempre agiu. E provavelmente nunca teve a intenção de contribuir para qualquer tipo de violência. Mas é o que faz quando diz, por exemplo, que “mulher não tem o direito de ser feia”, entre outros discursos misóginos e absurdos, que vêm motivando críticas de várias pessoas, entre elas, Fernanda Lima.

O comunicador não mudou, faz o que sempre fez, mas o mundo está mudando. Sílvio pertence ainda ao mundo que oprime, que transforma mulheres em coisas, que objetifica o corpo feminino, que humilha até meninas e que acha engraçado tudo isso. Não vê qualquer maldade ao reproduzir o discurso machista, aliás, sequer o reconhece como tal. Já a apresentadora Fernanda Lima pertence a outro mundo, o que liberta.

Ela sabe que é o machismo que mata mulheres em série no Brasil, quando não as deixa marcadas para sempre — são assassinadas oito por dia, como lembrou Fernanda, no seu mais recente post sobre a polêmica, divulgado em redes sociais na última sexta-feira. Ela sabe que é preciso dar espaço ao oprimido para ele se liberte. Sabe também que o seu lugar na sociedade é o do privilégio e que, por isso, tem também a responsabilidade de ser uma ativista contra o preconceito, em defesa da mulher, do negro, do transexual.

Sílvio e Fernanda convivem no mesmo planeta, no mesmo tempo e espaço, mas são realmente de mundos diferentes. É natural que se encontrem e se contraponham. Deveria ser natural que debatessem com o devido respeito. Sílvio apelou. Ofendeu a apresentadora, falando de seu corpo, entre outras baboseiras. Fernanda disse a que veio, respondendo com respeito. Ou seja, fizeram o que se podia esperar como representantes dos dois universos antagônicos em que vivem.

Para muitos, até para mim, é difícil às vezes achar ofensa em muitos dos discursos machistas. Cantadas, antes consideradas inocentes, taxadas como ofensivas; reação forte a comentários sobre o corpo feminino; questionamentos sobre o lugar da mulher na publicidade e na novela, a ponto de mudar roteiros e enredos. Isso pode soar estranho ou exagerado, mas pense bem e verá que não é.

As mulheres estão descobrindo sua força, se unindo para lutar por mudanças, contribuindo para que outras não sofram e não morram. Não se pode ficar calada diante de tanta barbaridade. Não se pode ficar calada mesmo diante de um mito da comunicação ou ídolo, como Sílvio Santos. Fernanda Lima não ficou e ela tem razão.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
ercilia
ercilia - 27 de Agosto às 20:54
Pertencem ao mesmo planeta, o da mídia, que impõe o mesmo padrão de beleza e sucesso, hedonista e fútil.