Eye Patch Panda e Túnel do Lago Norte são as novas opções de baladas

Dois lugares inusitados têm atraído fãs de balada em Brasília. Veja outros pontos em que o agito foge do comum

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 02/09/2017 07:32 / atualizado em 01/09/2017 19:05

Faquini Produções/Divulgação

Luzes multicoloridas, música alta, espaço fechado entre quatro paredes. Quem gosta de curtir a noite, mas está cansado da monotonia de alguns eventos, têm razões para comemorar. Duas novas empreitadas em Brasília têm sacudido esse cenário com propostas distintas.


O primeiro é o Eye Patch Panda, que ocupa uma sobreloja na W3 Sul com ar descolado e que se assemelha a uma casa. Por lá, acontece uma festa para poucos chamada Carta Aberta. São, em média, 50 pessoas, em ambiente intimista e acolhedor. O segundo, o Túnel do Lago Norte, é justamente o oposto. Entre um shopping e um supermercado, o local será palco de ocupações culturais durante todo o mês de setembro.

Eye Patch Panda

Situado na 514 Sul (com entrada pela W2), o Eye Patch Panda quer ressignificar o que se entende por balada. Começaram fincando bandeira em um espaço que anda esquecido e pede por revitalização. Localizado em uma sobreloja e entre duas igrejas, o Eye Patch Panda é “abençoado, com certeza”, brincam os proprietários.

O local funciona nas noites de quinta a sábado e é definido como um endereço multiuso para experiências intimistas em ambientação que simula o conforto do lar. Tem cozinha (um bar com balcão onde são vendidos chopes especiais) e sala de estar (sofás e poltronas espalhados pelo salão). Exposições, venda de produtos e noites musicais integram a programação.

Reprodução/Facebook


Uma das atrações do novo espaço cultural é a festa batizada de Carta aberta, realizada aos sábados, de três em três meses. Ela foi idealizada pelo produtor cultural e DJ Daniel Amaro, ou Spot, um dos nomes por trás da Moranga, e por Gustavo Capela. Diferentemente dos “rolês” convencionais, o evento começa cedo, a partir das 20h, e acaba às 2h. A explicação é simples: dá para emendar com outro programa, dá para voltar para casa antes de o galo cantar e, principalmente, aproveitar as manhãs de domingo.

Túnel do Lago

Ocupar os espaços de Brasília se tornou uma alternativa para coletivos e produtoras da cidade que produzem eventos. Os setores Comercial Sul e de Diversões Sul são apenas alguns exemplos. Desde ontem, a capital conta com um novo local de ocupação. É o Túnel do Lago Norte, entre o Pão de Açúcar e o shopping Iguatemi.

O espaço que, ao longo da semana, serve de passagem subterrânea para pedestres e ciclistas, durante todo o mês de setembro será abrigo para festas que prometem celebrar o aniversário da região administrativa, além de ser uma alternativa de espaço e uma forma de identificação com a cidade.

A ideia surgiu do coletivo Crew.Za, composto pelos produtores e DJs Igor Albuquerque, Babisha e Kaká Guimarães, e que está envolvido com o evento Balada em tempos de crise, responsável pela abertura do túnel, e com o movimento Dulcina Vive.

“Sou produtor há quase 20 anos. Em 2015, eu morava com alguns amigos em uma casa no Lago Norte, onde fazíamos vários eventos na beira do Lago (Paranoá). Com a crise econômica, estava se tornando uma fortuna sair em Brasília. Começamos a fazer festas em lugares inusitados, como embaixo da Ponte JK, perto da ciclovia, e no Panteão da Pátria. Já tínhamos ido ao túnel do Lago Norte, e promovemos uma festa bem pequena para amigos”, lembra Kaká Guimarães.

Faquini Produções/Divulgação


Após essa primeira festa intimista, o coletivo decidiu fazer um evento maior que pudesse misturar balada e instalação artística. Com autorização da Administração do Lago Norte, teve início ontem a ocupação no túnel, que ganhou uma arco-íris feito com 60kg de glitter e muita música aproveitando a boa acústica do espaço que tem 3,5m. “Como é mês de aniversário do Lago Norte conseguimos a autorização e vamos ocupar o espaço, durante setembro inteiro. Resolvemos juntar vários coletivos artísticos e culturais da cidade para revitalizar o espaço e promover festas e atividades”, completa.

Entre os coletivos e produtoras confirmados estão sintra-FM, que ocupa o local hoje com festa a partir das 22h, Crazy Cake Crew, 5uinto e Play. “Com todo esse problema em Brasília de conservadorismo, burocracia e a Lei do Silêncio, esse tipo de espaço se torna uma opção. Além de ser uma forma ressignificar a cidade. Brasília é muito jovem e está criando uma identidade. Nós que trabalhamos com cultura alternativa sabemos que essa é a maior missão que temos”, analisa Guimarães.

Para os desbravadores


Setor Comercial Sul
Os coletivos Labirinto e MOB — Movimente e ocupe seu bairro foram os grandes incentivadores da ocupação e revitalização do SCS. Hoje, o espaço recebe festas, rodas de samba e encontros de food trucks semanalmente, que ocupam o térreo dos prédios e os becos do setor. Além disso, há uma casa de shows batizada de Espaço Cultural Canteiro Central.

Setor de Diversões Sul
No Conic, o principal movimento responsável pelas ocupações é o Dulcina Vive. O coletivo revitalizou o espaços, que, atualmente, recebe festas e eventos culturais no Teatro Dulcina e também no subsolo do local que ganhou o nome de Sub Dulcina.

Buraco do Jazz

O projeto nasceu com edições na 214 Sul, na altura do Eixão. A proposta surgiu devido à ausência de espaço físicos culturais no DF para apresentações de jazz. Atualmente, é realizado nas imediações do Complexo Cultural Funarte, no Eixo Monumental.

Para os intimistas

Hidden

Instalado na passagem subterrânea da Avenida das Nações, com entrada pelo Píer 21, o Hidden  funciona de quinta a domingo, das 17h à 1h. A ordem, como a Eye Patch Panda, é dar novo uso a espaços até então obsoletos na cartografia da cidade. O corredor onde foram colocados sofás, mesas de centro e confortáveis poltronas para tomar vinho enquanto beberica petiscos com pegada espanhola estava desocupado há anos. Quem comanda o Hidden é a dupla Mari Braga e o sócio, Pedro Henrique Gaspar. A programação musical é diária e muda semanalmente. Jazz, soul e discotecagem em vinil aparecem entre as atrações.

Sofar Sounds
O evento criado na Europa é sazonal e convida bandas locais para tocar em lugares pouco usuais. Em Brasília, alguns dos endereços onde  rolaram edições foi o Espaço Mapatí, onde normalmente são apresentadas peças teatrais. Os convidados só sabem a localização poucas horas antes do show. As atrações são mantidas em sigilo, e se revelam quando as “cortinas” se abrem.

Criolina e Corina Cervejas Especiais
Embora o foco seja a produção e divulgação de ações relacionadas à cerveja especial, Criolina e a Corina Cervejas Especiais também têm feito festas para cerca de 100 pessoas nos galpões nos Setores de Oficina Sul e Norte, respectivamente.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.