Esdras Nogueira lança clipe que antecipa disco instrumental com quinteto

'Esdras Nogueira Quinteto' sairá em formato de disco ao vivo e também em DVD on-line. A primeira faixa, 'Plantas que curam', foi lançada na segunda-feira (4/9)

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 06/09/2017 06:00 / atualizado em 05/09/2017 18:10

Célio Maciel/Divulgação

Os primeiros seis meses de 2017 foram de redescobrimento para o músico Esdras Nogueira. Fazia pouco tempo que ele havia "abandonado" de vez as atividades com a banda Móveis Coloniais de Acaju, em setembro do ano passado. Foi quando pode, então, excursionar por todo o país com Capivara (de 2014, em homenagem a Hermeto Pascoal) e NaBarriguda (de 2016), discos solo produzidos paralelamente aos trabalhos com o grupo brasiliense, que marcou a cidade nos 18 anos em que estiveram em ação.
 
 
 
Nesse tempo, o saxofonista e “dublê de chef” também encontrou espaço para se dedicar ao projeto gastronômico Coma lá em Casa e Coma no Jardim, em que promove eventos intimistas em torno da boa mesa com a mulher, Mariana Escosteguy Cardoso.
 


São Paulo, Belém, Goiânia. Foram muitas andanças e trocas culturais. No intervalo das apresentações (e de degustações em feiras, restaurantes, bares...) surgiram inspirações para algumas faixas inéditas. O resultado foi gravado em um show ao vivo no Sesc Ceilândia e virou o disco Esdras Nogueira Quinteto, previsto para ser lançado nas próximas semanas. Até lá, o saxofonista barítono liberará vídeos sazonalmente, aos moldes do que têm feito grandes artistas de apelo pop, como Beyoncé e Anitta. Na segunda-feira, o projeto teve o pontapé com o single Plantas que nascem. Assista!
 
 
 

O projeto 

 
Esdras Nogueira Quinteto sairá em formato de disco ao vivo e também em DVD on-line. Acostumado a atuar em conjunto (o Móveis tinha nove integrantes na formação, fora membros fixos de apoio e logística), o músico é acompanhado do trombonista Bocato, do guitarrista Marcus Moraes, do percursionista Léo Barbosa, do baixista Rodrigo Balduíno e do baterista Thiago Cunha.
Com o projeto, Esdras Nogueira pretende provar que a música instrumental pode ser fresca, atual, autoral e dançante. “É, de certa forma, uma herança do tempo do Móveis pensar que o público gostaria de ter essa interação. Quando a banda acabou foi algo ruim, doído. Agora, estou em um recomeço. Adoro tocar as músicas do Hermeto, mas também coisas mais animadas. Faz parte da minha trajetória experimentar um pouco de tudo. Em um novo álbum poderei fazer algo completamente diferente. A música instrumental me dá essa abertura”, defende.

No país onde brilham ícones de diferentes gerações na cena instrumental, do gaúcho Yamandu Costa ao brasiliense Hamilton de Holanda, fazer esse tipo de música ainda é, diariamente, um exercício de derrubada de fronteiras —  e que pede constante reinvenção. “A música brasileira está em um momento delicado, estamos sofrendo culturalmente. E há pouca atenção para esse nicho. Mas quem gosta nos prestigia, vai a festivais. Há muitos deles por todo o Brasil. Referências como o Yamandu e o Hamilton mostram que é possível estar na ativa, estar sempre circulando. É um mercado interessante e desafiador. Todos os dias abrimos novas portas, novos mundos”, afirma.

SERVIÇO
Esdras Nogueira Quinteto
Terceiro disco do músico Esdras Nogueira. Independente, 11 faixas no disco físico e 12 no digital (bonus track). Disponível para audição a partir de outubro.
 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.